Saltar para o conteúdo principal da página

Casa no lugar da Corujeira - detalhe

Designação

Designação

Casa no lugar da Corujeira

Outras Designações / Pesquisas

Casa no Lugar da Corujeira (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viseu / Vouzela / Cambra e Carvalhal de Vermilhas

Endereço / Local

- Lugar da Corujeira
Cambra

Proteção

Situação Actual

Procedimento encerrado / arquivado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Não aplicável

Cronologia

Despacho de encerramento de 3-08-2006

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Não se conhece a data da construção da Casa de Corujeira, mas o ano de 1729, inscrito no portal de acesso ao pátio interno, ajuda a balizar a sua edificação ou a definir uma campanha de obras certamente responsável pela actual configuração do imóvel. A capela anexa é bastante posterior, pois há notícia da sua construção em 1778, a expensas de José Alves Cardoso de Figueiredo, bacharel da Universidade de Coimbra, tendo sido benzida a 2 de Janeiro desse mesmo ano.
De planta em L, com pátio fechado por dois muros, a casa apresenta fachada principal com entrada antecedida por degraus e vãos de decoração muito semelhante entre si. A porta, de verga recta, é encimada por frontão triangular e volutas, encontrando-se descentrada em relação ao alçado, com uma janela de um lado e três do outro, todas elas de remate idêntico e avental recortado.
Nos alçados do pátio destaca-se o que é aberto por arcaria, com varanda ao nível do andar nobre.
A capela, dedicada a Nossa Senhora do Carmo, com alçado definido por pilastras e pináculos, é rematada por frontão contracurvado com cogulhos, rasgando-se, ao centro, o portal com frontão triangular curvo, ladeado por janelas de configuração idêntica e encimado por óculo quadrilobado com outros dois mais reduzidos correspondentes às janelas inferiores. No interior, ganha especial interesse o retábulo de talha dourada, rococó, executado na segunda metade do século XVIII.
(Rosário Carvalho)