Saltar para o conteúdo principal da página

Ponte Românica de Vilar Maior - detalhe

Designação

Designação

Ponte Românica de Vilar Maior

Outras Designações / Pesquisas

Ponte sobre o rio Cesarão / Ponte Medieval sobre o Rio Cesarão / Ponte Romana em Vilar Maior / Ponte Românica em Vilar Maior(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Ponte

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Guarda / Sabugal / Aldeia da Ribeira, Vilar Maior e Badamalos

Endereço / Local

- -
Vilar Maior

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 202/2018, DR, 2.ª série, n.º 58, de 22-03-2018 (ver Portaria)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 6-02-2018 da diretora-geral da DGPC
Anúncio n.º 190/2017, DR, 2.ª série, n.º 206, de 25-10-2017 (ver Anúncio)
Despacho de concordância de 19-06-2017 da diretora-geral da DGPC
Parecer favorável de 7-06-2017 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 30-11-2016 da DRC do Centro para a classificação como MIP
Anúncio n.º 258/2014, DR, 2.ª série, n.º 211, de 3-11-2014 (ver Anúncio)
Despacho de 1-08-2014 do Secretário de Estado da Cultura a aprovar a abertura de novo procedimento de classificação
Despacho de concordância de 8-07-2014 do diretor-geral da DGPC
Proposta de 25-06-2014 da DRC do Centro para a abertura de novo procedimento de classificação
Despacho de 6-03-2014 do diretor-geral da DGPC. sobre parecer jurídico, a considerar o procedimento caducado nos termos do artigo 78.º do Decreto-Lei n.º 309/2009, DR, 1.ª série, N.º 206 de 23-10-2009 (ver Diploma)
Despacho de homologação de 30-12-1974 do Secretário de Estado da Cultura e Investigação Científica
Parecer de 13-11-1974 da 4.ª Subsecção da 2.ª Secção da JNE a propor a classificação como IIP
Proposta de classificação 19-11-1973 da DGEMN

ZEP

Portaria n.º 202/2018, DR, 2.ª série, n.º 58, de 22-03-2018 (com restrições) (ver Portaria)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 6-02-2018 da diretora-geral da DGPC
Anúncio n.º 190/2017, DR, 2.ª série, n.º 206, de 25-10-2017 (ver Anúncio)
Despacho de concordância de 19-06-2017 da diretora-geral da DGPC
Parecer favorável de 7-06-2017 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 30-11-2016 da DRC do Centro
Novo pedido de parecer de 6-10-2016 da DRC do Centro à CM do Sabugal
Pedido de parecer de 3-08-2016 da DRC do Centro à CM do Sabugal sobre proposta de ZEP a apresentar à DGPC
Sem efeito, por ter caducado o primeiro procedimento de classificação
Parecer favorável de 16-05-2007 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de 19-12-2006 da DR de Castelo Branco

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Encontra-se no limite da localidade de Vilar Maior, servindo-lhe de acesso por fazer a travessia do rio Cesarão.
Esta localidade foi reconquistada em 1139 pelo rei de Leão, tendo o seu castelo sido então sido reconstruído. Após várias disputas territoriais é em 1297 que passa ser reconhecida a sua posse pela coroa portuguesa.
Esta ponte em alvenaria de cantaria de granito tem 45m de comprimento por 4,4 m de largura. É suportada por três arcos de volta perfeita com aduelas bem aparelhadas, tendo os dois principais 2,6 m de raio e o remanescente 1,4 m. A montante, nos pegões, encontram-se dois robustos talhamares triangulares, desfasados da perpendicular da ponte para acompanhar o leito do rio.
O seu tabuleiro é rampeado, encontrando-se o seu vértice junto à vertical do arranque do segundo arco do qual se encontra assim desfasado, permitindo, com poupança no material de construção, vencer margens com níveis desiguais.
É delimitada por guardas baixas em cantaria e encontra-se pavimentada com calçada em granito.
Na margem esquerda, lado Sul do imóvel, situa-se um interessante fontanário com tanque quadrangular.
Cronologicamente, as suas características apontam para que este se trate de um imóvel medieval, ou reconstruído, sequencialmente, nos séculos XIII e XIV, podendo ter por base uma construção anterior. Encontrar-se-á no eventual trajecto da mesma via, que de Viseu ia dar à ponte da Aldeia da Ponte. No século XVI surge representada na obra de Duarte d'Armas. (JAM)

Imagens

Bibliografia

Título

Pontes romanas de Portugal

Local

Lisboa

Data

1999

Autor(es)

PINTO, Paulo Mendes

Título

O Livro das Fortalezas de Duarte Darmas (edição anotada)

Local

Lisboa

Data

1943

Autor(es)

ALMEIDA, João de