Saltar para o conteúdo principal da página

Edifício em Almodôvar - detalhe

Designação

Designação

Edifício em Almodôvar

Outras Designações / Pesquisas

Edifício na Rua de Santo Ildefonso, em Almodôvar / Edifício na Rua de Santo Ildefonso, n.º 17 (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Edifício

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Beja / Almodôvar / Almodôvar e Graça dos Padrões

Endereço / Local

Rua de Santo Ildefonso
Almodôvar

Número de Polícia: 17-21

Proteção

Situação Actual

Procedimento encerrado / arquivado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Não aplicável

Cronologia

Despacho de encerramento de 10-12-2008 do director do IGESPAR, I.P.
Proposta de encerramento de 28-11-2008 da DRC do Alentejo, por não ter valor nacional
Proposta de 1-09-1991 de particular

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Situa-se este imóvel, no centro de Almodôvar, na Rua de Santo Ildefonso, com acesso à Igreja Matriz, com esta mesma invocação, destacando-se pelo seu ar de casa solarenga, com molduras de janelas decoradas com motivos vegetalistas e gradeamentos de ferro forjado.
Foi residência da família Aguiar Cordes Mascarenhas de Azevedo, tendo o sido residência do último Morgado de Almodôvar.
A casa, cujos registos remontam ao século XVI (conforme informação da actual proprietária), apresenta-se, contudo, com características da arquitectura civil, alentejana, do século XVIII, tendo a pedra de armas, sido apeada apenas há alguns anos.
A fachada principal, de dois andares, corre comprida, como é comum em muitas casas barrocas, animada pelos vãos correspondentes a portas e janelas; no piso térreo, da esquerda para a direita, janela, janela, porta, porta, janela, porta, porta, correspondendo no 1º piso a sete janelas, que graças à decoração, marcam o andar nobre. As janelas do piso nobre apresentam moldura em cantaria, com ornato em forma de concha, rematado por arco abatido; as grades das varandas assentam em mísulas de cantaria e apresentam um bom trabalho de ferro forjado.
No seu interior, no andar nobre, uma das salas mantém a decoração azulejar do século XVIII.
Actualmente, o imóvel encontra-se dividido em três prédios urbanos.
DRCA, Ana Maria Borges, Outubro de 2009