Saltar para o conteúdo principal da página

Conjunto constituído pela Igreja e Convento de São Francisco - detalhe

Designação

Designação

Conjunto constituído pela Igreja e Convento de São Francisco

Outras Designações / Pesquisas

Conjunto constituído pela Igreja e Convento de São Francisco (Montemor-o-Novo) / Convento de São Francisco de Montemor-o-Novo(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Évora / Montemor-o-Novo / Nossa Senhora da Vila, Nossa Senhora do Bispo e Silveiras

Endereço / Local

Rua de São Francisco
Montemor-o-Novo

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 63/2010, DR, 2.ª Série, n.º 12, de 19-01-2010 (ver Portaria)
Despacho de homologação de 21-06-2004 do Ministro da Cultura
Parecer favorável de 15-04-2004 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de 30-07-2003 da DR de Évora para a classificação como IIP
Despacho de abertura de 22-11-2002 do vice-presidente do IPPAR
Proposta de classificação de 2-10-2001 da CM de Montemor-o-Novo
Proposta de classificação de 18-11-1986 da Secretária de Estado da Cultura

ZEP

Portaria n.º 63/2010, DR, 2.ª Série, n.º 12, de 19-01-2010 (sem restrições) (ver Portaria)
Despacho de homologação de 21-06-2004 do Ministro da Cultura
Parecer favorável de 15-04-2004 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de 30-03-2004, da DGEMN

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Fundado durante o período áureo de crescimento económico e urbanístico da vila de Montemor-o-Novo, o Convento de São Francisco é também testemunho da fase de grande desenvolvimento dos cenóbios ligados à regra regular observante franciscana, que se prolongou pelos séculos XVI e XVII.
A data exacta da fundação deste convento é desconhecida, embora alguns cronistas indiquem o ano de 1495 para o seu estabelecimento (ESPANCA, T., 1975). Segundo estes dados bibliográficos, a comunidade franciscana teria sido estabelecida primeiro no eremitério de Nossa Senhora das Graças, iniciando depois a edificação de um conjunto conventual próprio (Idem, ibidem).
Em concreto, um alvará emitido por D. João III em 1532 indica que o convento estava já a ser construído nesta data. O documento régio dava autorização a Diogo Lopes, administrador das Capelas Reais, a conceder uma esmola ao provincial da ordem destinada à construção do claustro. Assim se comprova que a fábrica de obras estava já em pleno andamento, e a sagração da igreja terá acontecido alguns anos depois, em 1546.
O Convento de São Francisco apresenta um conjunto edificativo de grande simplicidade, composto pela igreja, cuja fachada foi alterada no século XVII, e parte do corpo conventual, que incluí o claustro e a antiga sala do capítulo.
O templo, de planta rectangular composta por nave única, é exteriormente apoiado por contrafortes, que se dispõem nas fachadas laterais. O frontispício, rematado num frontão contracurvado, é precedido pela estrutura do nártex, rasgado por arco abatido e sobreposto por janela. Embora tenha sido edificado já na centúria de Seiscentos, este corpo avançado não comprometeu a harmonia da fachada, concedendo unicidade ao conjunto.
O portal que permite o acesso ao interior da igreja apresenta uma larga moldura rectangular, ladeada por pilastras coríntias. No lintel apresenta gravada a data de 1546.
A nave da igreja, coberta por abóbada de nervuras, divide-se em cinco tramos, que marcam a disposição das capelas laterais. As paredes são forradas com painéis de azulejos azuis e brancos, executados na primeira metade do século XVIII em Lisboa (Idem, ibidem), figurando cenas da vida de São Francisco de Assis. O espaço da capela-mor, renovado no século XVIII (Idem, ibidem), desenvolve-se em planimetria quadrangular, sendo coberto por abóbada de berço revestida por pinturas murais.
Depois da extinção das Ordens Religiosas, o Convento de São Francisco foi ocupado por destacamentos militares. Em 1845, a Câmara de Montemor-o-Novo instalou no espaço da cerca um cemitério público, e o edifício conventual seria totalmente cedido à edilidade em 1871, vindo a transformar-se em espaço de arrecadações e sede das oficinas camarárias. Actualmente alberga a sede da Associação Cultural de Arte e Comunicação.
Catarina Oliveira
IPPAR/2005

Imagens

Bibliografia

Título

Breve História das Ruínas do Antigo Burgo e Concelho de Montemor-o-Novo

Local

Évora

Data

1977

Autor(es)

ANDRADE, António Banha de

Título

Inventário Artístico de Portugal - vol. IX (Distrito de Évora, Zona Sul, volume I)

Local

Lisboa

Data

1978

Autor(es)

ESPANCA, Túlio