Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja Paroquial de São Brissos - detalhe

Designação

Designação

Igreja Paroquial de São Brissos

Outras Designações / Pesquisas

Igreja Paroquial de São Brissos(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Évora / Montemor-o-Novo / Santiago do Escoural

Endereço / Local

-- -
São Brissos

Proteção

Situação Actual

Procedimento caducado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Não aplicável

Cronologia

Procedimento caducado nos termos do artigo 78.º do Decreto-Lei n.º 309/2009, DR, 1.ª série, N.º 206 de 23-10-2009 (ver Diploma) , alterado pelo Decreto-Lei n.º 265/2012, DR, 1.ª série, n.º 251, de 28-12-2012 (ver Diploma)
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Antiga sede de paróquia, a Igreja de São Brissos terá sido fundada no tempo do bispado do Infante D. Afonso, havendo notícia da sua existência já no ano de 1534 (ESPANCA, 1975).
De planta rectangular disposta longitudinalmente, o templo apresenta uma fachada cujo modelo de "tipo rural" (Idem, ibidem) é composta por alpendre coberto por abóbada polinervada de gosto manuelino e frontão contracurvado rematado por sineira.
No espaço interior destaca-se o rico programa decorativo, composto por inúmeras composições de pintura mural seiscentista, elaborada por oficinas eborenses (Idem, ibidem).
A nave é decorada por quinze painéis, representando o Apostolado e os santos bispos de Évora, São Manços, São Jordão e São Brissos, nas quais se denota "(...) particular encanto nas expressões ingénuas dos personagens e nos tons quentes dos frescos (...)", apresentando afinidades com as pinturas que decoram o tecto da Ermida de Nossa Senhora da Guadalupe, em São Matias (Idem, ibidem).
O arco cruzeiro é pintado com uma sequência de tabelas geométricas que enquadram, ao centro, as figuras de Santo Amara e de São Luís Rei, abrindo para o espaço da capela-mor, também totalmente revestido por pinturas parietais.
Nas paredes da capela-mor foram pintadas as representações de Santa Bárbara, São Geraldo Santa Apolónia e São Neutel, do lado do Evangelho, e Santa Luzia, São Brissos e São Romão na parede fronteira (Idem, ibidem).
A cúpula que cobre este espaço apresenta um conjunto de oito santos de "melhor factura", Santa Clara, Santa Catarina de Sena, São Francisco de Assis, São Domingos de Gusmão, Santo Ambrósio, São Gregório Magno, Santo Agostinho e São Jerónimo (Idem, ibidem).
Ao centro foi edificado o retábulo de talha, de gosto maneirista, que integra uma escultura policromada de São Brissos, de manufactura quinhentista.
Catarina Oliveira
IPPAR/2006

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal - vol. VIII (Distrito de Évora, Zona Norte, volume I)

Local

Lisboa

Data

1975

Autor(es)

ESPANCA, Túlio