Saltar para o conteúdo principal da página

Capela da Ramada Alta - detalhe

Designação

Designação

Capela da Ramada Alta

Outras Designações / Pesquisas

Capela do Senhor do Calvário
Capela de Nossa Senhora das Dores / Capela da Ramada Alta / Capela de Nossa Senhora das Dores e Senhor do Calvário(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Capela

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Porto / Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, São Nicolau e Vitória

Endereço / Local

Largo da Ramada Alta
Porto

Proteção

Situação Actual

Procedimento encerrado / arquivado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Não aplicável

Cronologia

Despacho de encerramento de 18-10-2007 da subdirectora do IGESPAR, I.P.

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Situada actualmente no cruzamento de diversas ruas, a capela da Ramada Alta começou a ser construída durante a primeira metade do século XVIII, ou mais precisamente, no dia 28 de Julho de 1737. De acordo com a inscrição da torre sineira, a igreja sofreu obras de restauro em 1883 e a referida torre foi erguida no ano seguinte, a expensas de António Manuel Garcia. Em 28 de Maio de 1907 D. Carlos concede-lhe o título de Capela Real (QUARESMA, M. Clementina, 1995, p. 55).
Exemplo de arquitectura neo-clássica, esta capela pauta-se por uma enorme simplicidade arquitectónica, quer ao nível da planta quer ao nível da articulação dos volumes. O alçado principal, de linhas depuradas, desenvolve, no mesmo plano, a fachada da igreja (rematada por frontão com cruz latina, portal principal ladeado por dois óculos e encimado por vão de forma elíptica recortada), a torre sineira e a sacristia (de dois andares), deixando adivinhar a organização interna do espaço.
A igreja, de planta longitudinal, com nave única e capela-mor, apresenta um lambril de azulejos de padrão azuis e brancos. Os retábulos e outros elementos decorativos surgem pintados de branco e dourados, denunciando o gosto neo-clássico do conjunto. A pintura do retábulo-mor representa o Santíssimo Sacramento no ostensório adorado por anjos, e foi executada por Maria Margarida Costa (QUARESMA, M. Clementina, 1995, p. 55). Na sala das sessões conserva-se a pintura de Nossa Senhora da Conceição de Henrique José da Silva, de 1809 (QUARESMA, M. Clementina, 1995, p. 55).
Entre a capela-mor e a nave, na fachada Sul, destaca-se uma capela de reduzidas dimensões invocando a Virgem do Carmo, com tecto abobadado e revestimento parietal de azulejaria branca.
Em 1903 a igreja cede parte dos seus terrenos à Câmara, para que esta possa proceder ao alargamento da rua Serpa Pinto.
Rosário Carvalho

Imagens

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal: Cidade do Porto

Local

Lisboa

Data

1995

Autor(es)

QUARESMA, Maria Clementina de Carvalho