Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja de Nossa Senhora da Oliveira - detalhe

Designação

Designação

Igreja de Nossa Senhora da Oliveira

Outras Designações

-

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Torres Vedras / Santa Maria, São Pedro e Matacães

Endereço / Local

E.M. 575
Matacães

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 2/96, DR, I Série-B, n.º 56, de 6-03-1996 (ver Decreto)
Despacho de abertura de 18-05-1998 do vice-presidente do IPPAR
Proposta de abertura de 4-05-1998 da DR de Lisboa

ZEP

Anúncio n.º 13554/2012, DR, 2.ª série, n.º 198, de 12-10-2012 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 26-09-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 31-05-2012 da DRC de Lisboa e Vale do Tejo

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

De origem quinhentista (ainda se conservam nervuras desta época, numa das dependências), a igreja de Nossa Senhora da Oliveira conserva, na sua estrutura, vários elementos que caracterizaram as diferentes campanhas de obras de que foi alvo, ao longo dos séculos.
Na verdade, são pouco numerosas as informações conhecidas sobre o templo, muito embora as inscrições, e outros elementos decorativos, nos permitam definir, seguramente, duas intervenções arquitectónicas e decorativas. A primeira remonta ao século XVII, época em que a igreja terá sido reedificada. Para além da estrutura, de nave única e capela-mor rectangular, subsistem os azulejos enxaquetados, em tons de branco e azul, que revestem a zona inferior das paredes do corpo (AZEVEDO, FERRÃO, GUSMÃO, 1963, p. 26), note-se que estes azulejos não são mencionados no corpus de azulejaria do século XVII, de Santos SIMÕES, 1997, 2ª ed.). Desta centúria são, também, as lápides sepulcrais do pavimento.
Mais consensuais parecem ser os trabalhos setecentistas, onde se inclui a renovação da fachada principal e da torre, bem como o revestimento azulejar figurativo do interior e o retábulo-mor, em talha dourada. O frontispício, definido por pilastras nos cunhais, rematados por pináculos, é aberto, ao centro, por um portal de verga curva e por um janelão de iluminação do coro. Destaca-se, neste conjunto, o frontão contracurvado que coroa o alçado, e que apresenta círculos no tímpano e uma cruz ao centro. Num plano ligeiramente recuado, e também com pilastras nos cunhais (rematados por fogaréus), ergue-se a torre sineira, cujos registos seguem o esquema da fachada do templo, rasgando-se, no último, a sineira e terminando o conjunto numa cúpula bolbosa.
No interior, ganham especial relevância os diversos conjuntos de azulejos. Parecem ser mais antigos os seis painéis da capela-mor, que representam, do lado do Evangelho, a Adoração dos Magos, , os Desponsórios e a Sagrada Família, e do lado oposto, a Anunciação, a Adoração dos Pastores e a Fuga para o Egipto. Têm vindo a ser atribuídos ao pintor conhecido pelas iniciais P.M.P., mas cujo nome permanece por identificar (SIMÕES, 1979, p. 327). Com actividade conhecida na segunda e terceira décadas do século XVIII, P.M.P. poderia ter executado o trabalho da igreja de Nossa Senhora da Oliveira entre os anos de 1725-30 (IDEM).
Já os azulejos ornamentais que revestem o arco triunfal, e os emblemas marianos que aí encontramos (alusivos às litanias da Virgem), datados de 1736, estão assinados por Bartolomeu Antunes (SIMÕES, 1970, p. 68). Todavia, os mais recentes estudos dedicados a este artista reuniram um conjunto de documentação onde se demonstra que Bartolomeu Antunes não foi pintor de azulejos, e a sua actividade "(...) deve ser entendida como a de um experiente gestor, sobre o qual recaía a responsabilidade geral da empreitada", articulando a encomenda com os pintores com quem habitualmente trabalhava (MANGUCCI, 2003, p. 140). A importância do cargo de mestre ladrilhador do Paço, levou-o a assinar alguns painéis, onde se inclui o da igreja de Matacães. Fica assim, em aberto, a autoria deste conjunto, mas apesar da actividade tradicional de Antunes se iniciar, tradicionalmente, a partir de 1730, é possível que tenha também sido ele a fornecer os azulejos da capela-mor (IDEM, p. 137).
Retomando as intervenções no templo, o retábulo-mor, de talha barroca, deverá ser contemporâneo da campanha azulejar. Já do final do século XVIII é o conjunto da capela baptismal, com a pia setecentista, a que se acrescentou, posteriormente, um murete em mármore, e o revestimento azulejar de linguagem neoclássica.
(Rosário Carvalho)

Bibliografia

Título

"Azulejaria em Portugal no século XVIII"

Local

Lisboa

Data

1979

Autor(es)

SIMÕES, J. M. dos Santos

Título

"Monumentos e Edifícios Notáveis do Distrito de Lisboa, vol. IV"

Local

Lisboa

Data

1963

Autor(es)

AZEVEDO, Carlos de, FERRÃO, Julieta, GUSMÃO, Adriano de

Título

"A estratégia de Bartolomeu Antunes mestre ladrilhador do Paço (1688-1753), Al-madan, n.º 12, pp. 135-141."

Local

Almada

Data

2003

Autor(es)

MANGUCCI, Celso

Título

"Azulejos de Bartolomeu Antunes, Belas Artes, 2ª série, n.º 24-26, p. 68"

Local

Lisboa

Data

1970

Autor(es)

SIMÕES, J. M. dos Santos