Saltar para o conteúdo principal da página

Pelourinho de Marvão - detalhe

Designação

Designação

Pelourinho de Marvão

Outras Designações / Pesquisas

Pelourinho de Marvão(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Pelourinho

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Portalegre / Marvão / Santa Maria de Marvão

Endereço / Local

Largo do Pelourinho
Marvão

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 23 122, DG, I Série, n.º 231, de 11-10-1933 (ver Decreto) Ver inventário elaborado pela ANBA

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Marvão terá sido reconquistada por D. Afonso Henriques, por intermédio dos cavaleiros Templários, em 1166. Em 1167 foi entregue a esta Ordem, que certamente promoveu a sua fortificação e povoamento. Em 1226, D. Sancho II outorga a Marvão o seu primeiro foral, posteriormente confirmado por D. Dinis. Mas o actual pelourinho datará dos anos imediatos à atribuição de Foral Novo por D. Manuel, em 1512, de acordo com a sua feição manuelina, ainda que muito rústica. O monumento ergue-se diante do edifício quinhentista da cadeia comarcã e junto à Torre do Relógio, igulamente do século XVI, no largo que tomou o seu nome. Assente num pedestal de quatro degraus octogonais, é constituído por um fuste também octogonal, directamente implantado no degrau superior, composto por cinco tambores com juntas de argamassa. As faces alternam-se lisas e decoradas, sendo a decoração composta por fiadas de bolas. Não existe capitel, embora um sexto tambor, terminado em pirâmide muirto rebaixada, cumpra a função de remate, uma vez que é visualmente separado do resto do fuste pela interposição de quatro grossos braços na mesma pedra, dispostos em cruz, cujos topos quadrados são também rematados por bolas. Entre os braços, nas faces lisas do fuste, dispõem-se mais quatro braços, desta feita em ferro, reproduzindo a matriz "oitavada" do pelourinho. SML

Imagens

Bibliografia

Título

Pelourinhos Portugueses, Tentâmen de Inventário Geral

Local

Lisboa

Data

1997

Autor(es)

MALAFAIA, E. B. de Ataíde