Saltar para o conteúdo principal da página

Pelourinho de Alverca da Beira - detalhe

Designação

Designação

Pelourinho de Alverca da Beira

Outras Designações / Pesquisas

Pelourinho de Alverca da Beira(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Pelourinho

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Guarda / Pinhel / Alverca da Beira/ Bouça Cova

Endereço / Local

Largo da Praça
Alverca da Beira

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 23 122, DG, I Série, n.º 231, de 11-10-1933 (ver Decreto) Ver inventário elaborado pela ANBA

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A vetusta localidade de Alverca da Beira, actual freguesia de Pinhel, nunca teve foral, mas chegou a ser vila e sede de concelho. Este estatuto foi, porém, efémero: a data da sua elevação a concelho é desconhecida, embora se situe certamente em torno de finais do século XVIII ou início do seguinte, sendo que esta circunscrição foi extinta logo em 1853. A povoação chegou a ter Casa da Câmara, tribunal e pelourinho. Os dois primeiros foram instalados num edifício setecentista no largo principal, junto da igreja paroquial de Nossa Senhora da Assunção, de feição barroca, edificada em 1723, e diante do pelourinho.
Este monumento sofreu um restauro efectuado em 1940, pela Junta de Freguesia local, sendo difícil identificar a extensão desta intervenção. O conjunto, em granito, ergue-se sobre um pedestal de quatro degraus circulares, de aresta. A coluna tem fuste oitavado, de faces lisas, com base cúbica talhada no mesmo bloco. Sobre esta, que possui um ligeiro estrangulamento no topo, assenta directamente o remate, em gaiola. Trata-se de uma gaiola muito simples, composta por um cesto oitavado, cujas faces prolongam as da coluna, e no centro das quais se adossam oito colunelos cilíndricos, que por sua vez sustentam o chapéu, uma alta pirâmide oitavada. Para além dos colunelos, a pirâmide apoia-se ainda numa série de ferros interiores, e num troço de coluna central. É rematada por uma pequena esfera, decorada com estrias verticais, em gomos. Em termos tipológicos, e enquanto pelourinho de gaiola, este monumento pertence a um grupo de pelourinhos muito comuns na Beira Alta. SML

Imagens

Bibliografia

Título

Pelourinhos Portugueses, Tentâmen de Inventário Geral

Local

Lisboa

Data

1997

Autor(es)

MALAFAIA, E. B. de Ataíde