Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja paroquial de São Cristóvão - detalhe

Designação

Designação

Igreja paroquial de São Cristóvão

Outras Designações / Pesquisas

Igreja de São Cristóvão / Igreja Matriz de São Cristóvão / Igreja de São Cristóvão e São Lourenço(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Lisboa / Santa Maria Maior

Endereço / Local

Largo de São Cristóvão
Lisboa

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 33 587, DG, I Série, n.º 63, de 27-03-1944 (ver Decreto)

ZEP

Despacho de 18-10-2011 do diretor do IGESPAR, I.P. a concordar com o parecer e a devolver o processo à DRC de Lisboa e Vale do Tejo para apresentar propostas de ZEP individuais, ou conjuntas nos casos em que tal se justifique
Parecer de 10-10-2011 da SPA do Conselho Nacional de Cultura a propor o arquivamento
Proposta de 22-08-2006 da DR de Lisboa para a ZEP conjunta do Castelo de São Jorge e restos das cercas de Lisboa, Baixa Pombalina e imóveis classificados na sua área envolvente

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A igreja de São Cristóvão foi reconstruída na primeira metade do século XVIII. A origem do templo remonta à época islâmica, quando os moçárabes de Lisboa aqui tiveram a sua sede, sob a invocação de Santa Maria de Alcami. Reformas posteriores alteraram a sua fisionomia original e no século XVIII deu-se a construção que chegou até aos nossos dias. O interior é de uma só nave, e possui uma série de telas atribuídas a Bento Coelho da Silveira. A capela-mor, rectangular, é a parte mais antiga da actual igreja e foi construída em 1671 pela Irmandade do Santíssimo Sacramento. Aqui se expõe o que resta da antiga Capela dos Mirandas, designadamente o túmulo do bispo D. Fernando de Miranda, capelão-mor de D. Afonso V e que esteve presente na tomada de Arzila.
PAF

Imagens