Saltar para o conteúdo principal da página

Varanda do Grão-Prior - detalhe

Designação

Designação

Varanda do Grão-Prior

Outras Designações / Pesquisas

Casa da Varanda do Grão-Prior / Palácio do Grã-Prior da Ordem de Malta(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Varanda

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Portalegre / Crato / Crato e Mártires, Flor da Rosa e Vale do Peso

Endereço / Local

Praça da República, junto aos Paços do Concelho da vila
Crato

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 8/83, DR, I Série, n.º 19, de 24-01-1983 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Fundada cerca de 1232, no lugar de Ucrate, a vila do Crato foi instituída como parte integrante dos territórios doados por D. Sancho II à Ordem do Hospital, quando da instalação dos Hospitalários em Portugal. A povoação foi crescendo ao longo da centúria seguinte, e em meados do século XIV, durante um dos períodos mais prósperos da região, os freires do Hospital instalaram no Crato a sede do seu Priorado em Portugal, sendo então construído o Mosteiro da Flor da Rosa, para onde se transferiu em 1356 o prior da Ordem, D. Frei Álvaro Gonçalves Pereira.
No século XVI a nomeação para o cargo de grão-prior da ordem passou a ser da competência da Coroa portuguesa, pelo que a partir de então o cargo foi ocupado por membros da família real. O primeiro grão-prior a ser designado pelo rei D. João III foi o Infante D. Luís, filho de D. Manuel I.
Terá sido D. Luís que na terceira década de Quinhentos mandou edificar no centro da vila um palácio para a residência do Grão-Prior, cuja traça é atribuída a Miguel de Arruda (RODRIGUES, Jorge, PEREIRA, Paulo, 1989, p. 20). Deste edifício resta actualmente uma varanda assente sobre uma loggia , e a janela de sacada que liga o edifício ao espaço do varandim.
A estrutura da varanda, de planta rectangular, foi edificada num plano avançado em relação à fachada do palácio, estando dividida em dois pisos. O piso térreo abre para a praça através de três arcadas, assentes sobre colunas cilíndricas, sendo rematado lateralmente por contrafortes. O espaço interior é coberto por travejamento de madeira.
O varandim é decorado a toda a volta com rosáceas e meias rosáceas, num programa decorativo que se assemelha muito ao modelo da Igreja da Graça de Évora, obra também realizada por Miguel de Arruda (Idem, ibidem). Este espaço tem ligação com a casa através de uma janela de moldura rectangular rematada por volutas encimadas por concha.
Catarina Oliveira
IPPAR/2005

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal - Aveiro, Beja, Coimbra, Évora, Leiria, Portalegre, Porto e Santarém

Local

Lisboa

Data

2000

Autor(es)

SEQUEIRA, Gustavo de Matos

Título

Guia Artístico do Crato

Local

Crato

Data

1989

Autor(es)

PEREIRA, Paulo, RODRIGUES, Jorge