Saltar para o conteúdo principal da página

Passos da Via Sacra (cinco), também denominados «capela da Rua de Alcamim», «capela da Rua de Olivença», «capela do Largo da Misericórdia», «capela do Largo São João de Deus», primitivamente na Rua da Cadeia, e «capela da Rua de André Gonçalves» - detalhe

Designação

Designação

Passos da Via Sacra (cinco), também denominados «capela da Rua de Alcamim», «capela da Rua de Olivença», «capela do Largo da Misericórdia», «capela do Largo São João de Deus», primitivamente na Rua da Cadeia, e «capela da Rua de André Gonçalves»

Outras Designações / Pesquisas

Passos da Via Sacra (cinco), também denominados «capela da Rua de Alcamim», «capela da Rua de Olivença», «capela do Largo da Misericórdia», «capela do Largo São João de Deus» (antigo Largo do Hospital Militar), primitivamente na Rua da Cadeia, e «capela da Rua de André Gonçalves» (antiga Rua do Juíz, ao Arco do Bispo) / Passos da Via Sacra de Elvas(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Capela

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Portalegre / Elvas / Caia, São Pedro e Alcáçova

Endereço / Local

Largo de São João de Deus
Elvas

Largo da Misericórdia
Elvas

Rua André Gonçalves
Elvas

Rua de Olivença
Elvas

Rua do Alecrim
Elvas

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 67/97, DR, I Série-B, n.º 301, de 31-12-1997 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Percurso evocativo da caminhada de Jesus pelas ruas de Jerusalém, desde o Pretório de Pilatos até ao Calvário (já fora dos muros da cidade), a Via Sacra foi recriada nos mais variados locais, para recordar, a quem a percorresse, a Paixão de Cristo, observando a iconografia presente em cada uma das estações.
Esta ideia de caminho que conduz à vida eterna, ou percurso da salvação, foi evocado, muitas vezes, nos longos escadórios barrocos, associada à Paixão de Cristo e à Via Sacra, como acontece, por exemplo, no caso do santuário do Bom Jesus do Monte, ou no Buçaco, ou como estava projectado para o Santuário do Socorro, em Ponte de Lima. Em Elvas, e em muitas outras vilas e cidades, a Via Sacra é um trajecto urbano, marcado por um conjunto de passos, que mais não são do que pequenas capelas inscritas nos alçados dos edifícios.
São cinco os passos que encontramos em Elvas, todos eles de planta quadrada, abobadados e protegidos por grades de ferro (colocados em substituição das portadas de madeira, em 1861), à excepção do quarto, mais destacado, talvez por ter sido deslocado do seu local original.
O primeiro evoca a primeira queda de Jesus, quer nos painéis de azulejo que revestem os panos murários, quer na tela do retábulo de mármore. O segundo representa o encontro de Jesus com Maria, sua mãe (4ª estação), numa iconografia comum aos suportes já referidos. O mesmo já não acontece no terceiro passo, onde os azulejos ilustram Jesus consolando as filhas de Jerusalém (8ª estação), e a tela a segunda queda de Cristo (7ª estação). No quarto passo, os episódios representam a Fuga de David e a Batalha de Salomão, com a tela alusiva a Flagelação. Por fim, o último apresenta Cireneu a ajudar Cristo a suportar a cruz nos azulejos (5ª estação), e a Verónica (6ª estação) em tela.
As abóbadas, à excepção do quarto passo, são revestidas por azulejos, com os símbolos da Paixão.
Não é conhecido o autor, ou autores, deste conjunto azulejar, muito embora Santos Simões o aproxime da Rua da Cadeia dos trabalhos que se encontram na órbita da oficina de Bartolomeu Antunes, datando-os de cerca de 1740 (SIMÕES, 1979, p. 388).
Tomando em consideração as datas de edificação dos passos, a primeira das quais em 1724, podemos concluir que, a uma primeira campanha arquitectónica, concluída em 1730 com o passo da Rua de Olivença, se seguiu, na década de 1740, uma campanha azulejar, responsável pelo revestimento do interior destas capelas, à qual deverá ser também contemporânea a campanha pictórica.
(Rosário Carvalho)

Bibliografia

Título

Elvas

Local

Lisboa

Data

1995

Autor(es)

PEREIRA, Mário, RODRIGUES, Jorge