Saltar para o conteúdo principal da página

Antigo Convento de Corpus Christi - detalhe

Designação

Designação

Antigo Convento de Corpus Christi

Outras Designações / Pesquisas

Convento de Corpus Christi / Instituto de Reeducação Bom Pastor (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Convento

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Vila Nova de Gaia / Santa Marinha e São Pedro da Afurada

Endereço / Local

Largo de Aljubarrota
Vila Nova de Gaia

Número de Polícia: 13

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 632/2012, DR, 2.ª série, n.º 211, de 31-10-2012 (ver Portaria)
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Anúncio n.º 16977/2011, DR, 2.ª série, n.º 221, de 17-11-2011 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 30-03-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 17-01-2011 da DRC do Norte para a classificação como MIP
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Despacho de abertura de 9-08-1995 do presidente do IPPAR
Proposta de abertura de 7-08-1995 da DR do Porto do IPPAR
Processo iniciado em 1982

ZEP

Portaria n.º 632/2012, DR, 2.ª série, n.º 211, de 31-10-2012 (sem restrições) (ver Portaria)
Parecer de 25-07-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura a propor a manutenção dos limites anteriormente aprovados
Informação desfavorável de 16-01-2012 da DRC do Norte
Proposta de allteração de 28-12-2011 da CM de Vila Nova de Gaia
Anúncio n.º 16977/2011, DR, 2.ª série, n.º 221, de 17-11-2011 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 30-03-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 17-01-2011 da DRC do Norte para uma ZEP conjunta com a Igreja de Santa Marinha

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Construída no século XIV (1345), a igreja do convento de Corpus Christi de Gaia, de religiosas dominicanas, conheceu uma degradação gradual provocada pelas constantes cheias do rio Douro, o que originou a edificação de um novo templo, desenhado pelo Padre Pantaleão da Rocha de Magalhães, na segunda metade do século XVII (RODRIGUES, 1998). Este arquitecto foi responsável por várias obras no Porto e arredores, a primeira das quais o Corpus Christi.
A nova igreja das dominicanas de Gaia, de planta centralizada octogonal (com capela-mor rectangular e profunda, e dois coros sobrepostos, do lado oposto), repete o modelo do templo lisboeta do convento do Bom Sucesso de Belém, concluído em 1670 e pertencente à mesma ordem. Esta opção planimétrica integra Corpus Christi no conjunto de igrejas de planta centralizada que tomaram um modelo "quase" abandonado desde a primeira metade do século XV e que conheceu grande fortuna a partir de 1640, principalmente nas obras directamente relacionadas com o círculo da Rainha D. Luísa de Gusmão (GOMES, 2002; SERRÃO, 2003, p. 133). Por outro lado, denuncia a concepção centralizada, subjacente à edificação das igrejas das religiosas dominicanas entre o início do século XVI e o final do século XVII, e que Paulo Varela Gomes tem vindo a relacionar com a liturgia motivada pelo culto e devoção particular dos dominicanos ao Santíssimo Sacramento, ou ainda com a tipologia dos sacrários, a partir do Concílio de Trento colocados, preferencialmente, em lugar de destaque no altar-mor (GOMES, 2002). À luz do exposto, a invocação do convento de Gaia "impunha" uma planimetria centralizada, plena de simbolismo e eficácia litúrgica.
O templo resultante do traço de Pantaleão da Rocha de Magalhães, cujas obras tiveram início em 1675 e se prolongaram até ao final do século, tem sido considerado uma interpretação menor do modelo lisboeta, uma vez que muitas das soluções revelaram alguns problemas, principalmente ao nível da ligação dos coros, de planta rectangular, a uma igreja poligonal. Esta questão acabaria por ser resolvida entre 1677 e 1680, mas pelo pedreiro Gregório Fernandes, responsável pelo alargamento das paredes do coro, que em planta sugerem uma tenaz a segurar o polígono da igreja (GOMES, 2002, p. 140). Num dos braços dessa tenaz encontra-se uma construção de três arcos, que veio solucionar o problema da regularização do pátio, e "esconder" a escadaria de acesso à divisão que liga a igreja aos coros.
No interior, destaque para o cadeiral do coro em talha, que remonta à segunda metade de Seiscentos, onde sobressai a expressividade de determinadas máscaras e animais. A pintura e a imaginária que decoram a igreja (tecto do coro alto, espaldar do cadeiral e retábulos), apresentam uma iconografia que se enquadra nas temáticas da Ordem. Representam santos dominicanos acompanhados de outros que não pertencem à Ordem, mas que se enquadram na espiritualidade da época, destacando-se três devoções principais - o Santo Rosário, o nome de Jesus e a Eucaristia (RODRIGUES, 1998).
Rosário Carvalho

Imagens

Bibliografia

Título

O Barroco

Local

Lisboa

Data

2003

Autor(es)

SERRÃO, Vítor

Título

Edifícios religiosos de planta centrada entre Vagos e V. N. de Gaia (faixa litoral), in Espaço e Memória, Revista de Património, Porto, 1996. pp. 61-79

Local

Porto

Data

1996

Autor(es)

PINTO, Maria Augusta Almeida

Título

Arquitectura, Religião e Política em Portugal no século XVII - A Planta Centralizada

Local

Porto

Data

2001

Autor(es)

GOMES, Paulo Varela

Título

Magalhães, Padre Pantaleão da Rocha de, Dicionário da Arte Barroca em Portugal

Local

Lisboa

Data

1989

Autor(es)

ALVES, Joaquim Jaime Ferreira

Título

O Grande Porto

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

PACHECO, Helder

Título

O Mosteiro de Corpus Christi de Vila Nova de Gaia

Local

Porto

Data

1998

Autor(es)

RODRIGUES, Luísa Fernanda Ferreira

Título

O mosteiro de Corpus Christi de Gaia

Local

-

Data

1938

Autor(es)

CAMPO BELO, Conde de

Título

Algumas Obras Seiscentistas no Convento de Corpus Christi, Revista Gaya

Local

Vila Nova de Gaia

Data

1984

Autor(es)

ALVES, Joaquim Jaime Ferreira