Saltar para o conteúdo principal da página

Conjunto edificado do Solar dos Sousa Coutinhos, que inclui o designado Palácio Landal - detalhe

Designação

Designação

Conjunto edificado do Solar dos Sousa Coutinhos, que inclui o designado Palácio Landal

Outras Designações / Pesquisas

Solar dos Sousa Coutinho / Palácio Landal(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Palácio

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Santarém / Santarém / União de Freguesias da cidade de Santarém

Endereço / Local

Travessa Montalvo
Santarém

Número de Polícia: 1-11

Rua Capelo e Ivens
Santarém

Número de Polícia: 102-108

Rua Serpa Pinto
Santarém

Número de Polícia: 125-127

Proteção

Situação Actual

Em Vias de Classificação

Categoria de Protecção

Em Vias de Classificação (Homologado como IM -...

Cronologia

Enviada cópia do processo pelo Ministério da Cultura à CM de Santarém em 27-05-2010 a fim de ponderar a conclusão do procedimento
Edital N.º 201/97 de 1-10-1997 da CM de Santarém
Despacho de autorização e classificação de 3-04-1997 do Ministro da Cultura
Novo parecer de 11-03-1997 do Conselho Consultivo do IPPAR a propor a classificação como VC do Conjunto edificado do Solar dos Sousa Coutinhos, que inclui o Palácio Landal
Parecer favorável de 30-07-1993 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de 20-02-1992 da CM de Santarém para a classificação do Palácio Visconde de Landal, incluindo os trechos dos Sousa Coutinhos
Edital de 6-05-1980 da CM de Santarém
Despacho de homologação de 11-10-1979 do Secretário de Estado da Cultura
Parecer de 11-10-1979 da COISPCN a propor a classificação do Palácio Landal como VC
Processo iniciado em 1971 com um pedido de remoçaõ dos dois tectos em madeira do Palácio Landal para colocação na Quinta de Santa Marta

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O palácio dos Sousa Coutinhos é um notável edifício quinhentista, de consideráveis dimensões, desenvolvendo-se ao longo da Travessa do Montalto, da Rua Direita da Porta de Leiria e da Travessa de São Nicolau, locais que, ao tempo, também conheciam a designação de bairro dos funcionários régios. Esta construção, na qual nasceu um dos grandes nomes da literatura do século XIX - Frei Luís de Sousa - fazia parte das casas nobres da urbe escalabitana, possuindo capela privativa e fachada principal lançada para a igreja do Salvador . Em meados do século XVII, o edifício sofreu algumas transformações, ainda hoje perceptiveis na tipologia seiscentista que se pressente ao nível da fachada e no interior, bem como na gramática decorativa de um dos tectos de caixotões, representando a vida de Sansão. Contudo, este tecto já não se encontra no local original, tendo sido adquirido por um particular e re-colocado na Quinta de Santa Marta em Almeirim, Benfica do Ribatejo. Ao longo do século XIX, passando partes do conjunto original para a mão de diferentes proprietários, o edifício sofre algumas alterações. Contudo, será Júlio Casimiro Ferreira (Visconde de Landal) que, em meados de oitocentos, vai adquirir a maior parte do conjunto edificado quinhentista, ficando com as partes nobres do edifício, em que se incluia também, para além do tecto acima referido, um outro, do século XVIII, também com grande valor histórico-artístico representando cenas humorísticas da "comédia dell'arte". SCP No século XIX, o 1º Visconde de Landal, Júlio Casimiro Ferreira (1821-1908), adquire uma grande parte do edifício quinhentista dos nobres Sousa Coutinhos, passando esta parcela da construção a ser conhecida como Palácio Landal. A entrada principal abre para um pátio interior calcetado, onde convergem as restantes lojas à esquerda e à direita, sendo também ao nível do piso térreo que se encontravam as cocheiras. Estruturalmente, esta é uma zona do edifício bastante importante pois estão aqui localizados os arcos mestres que suportam a construção. Os panos murários do átrio eram revestidos por um conjunto azulejar que já não se encontra no local. Uma escadaria dá acesso ao primeiro e segundo pisos, sendo neste último que se encontram as habitações e o torreão. Era no piso superior que se localizavam as designadas salas nobres do palácio, com apontamentos decorativos e estruturais que revelavam um requinte cuidado, bem patente nos tectos apainelados de caixotões que ornavam a sua cobertura. Ambos os tectos (que possuem uma classificação legal autónoma) foram adquiridos em 1970 por um particular e reintegrados na Quinta de Santa Marta em Almeirim. Um destes tectos (dimensões 6,435x7,005 e 6,570x6,980), seiscententista, possui uma gramática decorativa alusiva à vida de Sansão, sendo que o outro (dimensões 5,880x5,540) , já setecentista, é decorado com cenas humorísticas da "comedia dell arte".

Imagens