Saltar para o conteúdo principal da página

Antigo Convento de Santa Teresa de Jesus da Ordem das Carmelitas Descalças e de Santo Alberto - detalhe

Designação

Designação

Antigo Convento de Santa Teresa de Jesus da Ordem das Carmelitas Descalças e de Santo Alberto

Outras Designações / Pesquisas

Convento de Santa Teresa de Jesus de Carnide / Antigo Asilo das Velhinhas de Carnide / Convento de Santa Teresa do Menino Jesus / Mosteiro de Santa Teresa de Jesus de Carnide / Asilo de São Vicente de Paula de Carnide(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Convento

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Lisboa / Carnide

Endereço / Local

Avenida Cidade de Praga
Lisboa

Rua do Norte
Lisboa

Número de Polícia: 33-47

Azinhaga da Cova da Onça
Lisboa

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 740-DN/2012, DR, 2.ª série, n.º 248 (suplemento), de 24-12-2012 (ver Portaria)
Anúncio n.º 12830/2012, DR, 2.ª série, n.º 114, de 14-06-2012 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 9-05-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Nova proposta de 12-03-2012 da DRC de Lisboa e Vale doTejo para a classificação com a área idêntica ao despacho de abertura, apenas com ligeiras retificações
Despacho de 23-11-2011 do diretor do IGESPAR, I.P. a devolver o processo à DRC de Lisboa e Vale do Tejo para fundamentar a proposta de redução da área a classificar
Parecer favorável de 23-11-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Procedimento prorrogado até 3112-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Proposta de 9-11-2011 da DRC de Lisboa e Vale do Tejo para a classificação como MIP
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Despacho de abertura de 11-09-1996 do vice-presidente do IPPAR
Proposta de abertura de 9-09-1996 da DR de Lisboa
Proposta de classificação de 8-04-1993 da Confraria de São Vicente de Paulo, proprietária

ZEP

Portaria n.º 740-DN/2012, DR, 2.ª série, n.º 248 (suplemento), de 24-12-2012 (sem restrições) (ver Portaria)
Anúncio n.º 12830/2012, DR, 2.ª série, n.º 114, de 14-06-2012 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 9-05-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Nova proposta (idêntica) de 12-03-2012 da DRC de Lisboa e Vale do Tejo
Parecer favorável de 23-11-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 9-11-2011 da DRC de Lisboa e Vale do Tejo

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O convento foi fundado, em 1642, pela Madre Micaela Margarida, sobrinha de D. João IV, em terrenos doados dois anos antes, por D. Gomes da Mata, correio-mor do reino.
A casa religiosa recebeu, em 1650, a Infanta D. Maria, de tenra idade, com o propósito de ali ser educada, acabando por vestir o hábito das carmelitas, no ano da morte do seu pai. A esta Infanta se deveu um novo impulso e conclusão das obras da parte conventual e da igreja (entre 1663 e 1667), assim como a ornamentação de todo o edifício com diversas pinturas, peças de ourivesaria e alfaias.
O convento, cujo alçado principal se divide em dois registos organizados por pilastras de cantaria e vãos distribuídos de forma irregular, apresenta a porta de acesso à primitiva portaria, com pequena cobertura assente em mísulas, encimada por um nicho de cantaria a enquadrar uma imagem polícroma de São José com o Menino. A fachada principal da igreja é constituída por um portal simples de cantaria, encimado pelas armas da Infanta D. Maria e sobrepujado por um nicho com a imagem de Santo Alberto. No remate do conjunto encontra-se um frontão triangular com um óculo.
A igreja desenvolve-se longitudinalmente em cruz latina, com cobertura em abóbada de berço, na nave e abóbada de aresta no cruzeiro, decoradas com grotescos. No seu interior destacan-se os altares de talha dourada; os painéis de azulejos figurativos dos séculos XVII e XVIII; e diversas obras pictóricas, nomeadamente: o tecto da igreja atribuído a André Gonçalves, e algumas telas de Bento Coelho da Silveira, Inácio de Oliveira Bernardes e José da Costa Negreiros.
O imóvel ofreu danos consideráveis com o terramoto de 1755, tendo sido necessário proceder-se à reconstrução da zona conventual. SML

Imagens

Bibliografia

Título

Conventos de Lisboa

Local

Lisboa

Data

1989

Autor(es)

CAEIRO, Baltazar

Título

História dos Mosteiros, Conventos e Casas Religiosas de Lisboa, Vol. II

Local

Lisboa

Data

1804

Autor(es)

-

Título

Azulejaria Portuguesa

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

MECO, José

Título

Lisboa em 1758. Memórias Paroquiais de Lisboa

Local

Lisboa

Data

1974

Autor(es)

PORTUGAL, Fernando; MATOS, Alfredo de

Título

Pelas freguesias de Lisboa. Benfica. Carnide. Ameixoeira. Charneca. Lumiar

Local

Lisboa

Data

1993

Autor(es)

CONSIGLIERI, Carlos; RIBEIRO, Filomena; VARGAS, José Manuel; ABEL, Marília

Título

Azulejos de Lisboa (catálogo da exposição)

Local

Lisboa

Data

1984

Autor(es)

MECO, José