Saltar para o conteúdo principal da página

Antigo Convento de Santa Teresa de Jesus da Ordem das Carmelitas Descalças e de Santo Alberto - detalhe

Designação

Designação

Antigo Convento de Santa Teresa de Jesus da Ordem das Carmelitas Descalças e de Santo Alberto

Outras Designações / Pesquisas

Convento de Santa Teresa de Jesus de Carnide / Antigo Asilo das Velhinhas de Carnide / Convento de Santa Teresa do Menino Jesus / Mosteiro de Santa Teresa de Jesus de Carnide / Asilo de São Vicente de Paula de Carnide(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Convento

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Lisboa / Carnide

Endereço / Local

Avenida Cidade de Praga
Lisboa

Rua do Norte
Lisboa

Número de Polícia: 33-47

Azinhaga da Cova da Onça
Lisboa

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 740-DN/2012, DR, 2.ª série, n.º 248 (suplemento), de 24-12-2012 (ver Portaria)
Anúncio n.º 12830/2012, DR, 2.ª série, n.º 114, de 14-06-2012 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 9-05-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Nova proposta de 12-03-2012 da DRC de Lisboa e Vale doTejo para a classificação com a área idêntica ao despacho de abertura, apenas com ligeiras retificações
Despacho de 23-11-2011 do diretor do IGESPAR, I.P. a devolver o processo à DRC de Lisboa e Vale do Tejo para fundamentar a proposta de redução da área a classificar
Parecer favorável de 23-11-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Procedimento prorrogado até 3112-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Proposta de 9-11-2011 da DRC de Lisboa e Vale do Tejo para a classificação como MIP
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Despacho de abertura de 11-09-1996 do vice-presidente do IPPAR
Proposta de abertura de 9-09-1996 da DR de Lisboa
Proposta de classificação de 8-04-1993 da Confraria de São Vicente de Paulo, proprietária

ZEP

Portaria n.º 740-DN/2012, DR, 2.ª série, n.º 248 (suplemento), de 24-12-2012 (sem restrições) (ver Portaria)
Anúncio n.º 12830/2012, DR, 2.ª série, n.º 114, de 14-06-2012 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 9-05-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Nova proposta (idêntica) de 12-03-2012 da DRC de Lisboa e Vale do Tejo
Parecer favorável de 23-11-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 9-11-2011 da DRC de Lisboa e Vale do Tejo

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O convento foi fundado, em 1642, pela Madre Micaela Margarida, sobrinha de D. João IV, em terrenos doados dois anos antes, por D. Gomes da Mata, correio-mor do reino.
A casa religiosa recebeu, em 1650, a Infanta D. Maria, de tenra idade, com o propósito de ali ser educada, acabando por vestir o hábito das carmelitas, no ano da morte do seu pai. A esta Infanta se deveu um novo impulso e conclusão das obras da parte conventual e da igreja (entre 1663 e 1667), assim como a ornamentação de todo o edifício com diversas pinturas, peças de ourivesaria e alfaias.
O convento, cujo alçado principal se divide em dois registos organizados por pilastras de cantaria e vãos distribuídos de forma irregular, apresenta a porta de acesso à primitiva portaria, com pequena cobertura assente em mísulas, encimada por um nicho de cantaria a enquadrar uma imagem polícroma de São José com o Menino. A fachada principal da igreja é constituída por um portal simples de cantaria, encimado pelas armas da Infanta D. Maria e sobrepujado por um nicho com a imagem de Santo Alberto. No remate do conjunto encontra-se um frontão triangular com um óculo.
A igreja desenvolve-se longitudinalmente em cruz latina, com cobertura em abóbada de berço, na nave e abóbada de aresta no cruzeiro, decoradas com grotescos. No seu interior destacan-se os altares de talha dourada; os painéis de azulejos figurativos dos séculos XVII e XVIII; e diversas obras pictóricas, nomeadamente: o tecto da igreja atribuído a André Gonçalves, e algumas telas de Bento Coelho da Silveira, Inácio de Oliveira Bernardes e José da Costa Negreiros.
O imóvel ofreu danos consideráveis com o terramoto de 1755, tendo sido necessário proceder-se à reconstrução da zona conventual. SML

Imagens

Bibliografia

Título

História dos Mosteiros, Conventos e Casas Religiosas de Lisboa, Vol. II

Local

Lisboa

Data

1804

Autor(es)

-

Título

Conventos de Lisboa

Local

Lisboa

Data

1989

Autor(es)

CAEIRO, Baltazar

Título

Azulejaria Portuguesa

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

MECO, José

Título

Lisboa em 1758. Memórias Paroquiais de Lisboa

Local

Lisboa

Data

1974

Autor(es)

PORTUGAL, Fernando; MATOS, Alfredo de

Título

Pelas freguesias de Lisboa. Benfica. Carnide. Ameixoeira. Charneca. Lumiar

Local

Lisboa

Data

1993

Autor(es)

CONSIGLIERI, Carlos; RIBEIRO, Filomena; VARGAS, José Manuel; ABEL, Marília

Título

Azulejos de Lisboa (catálogo da exposição)

Local

Lisboa

Data

1984

Autor(es)

MECO, José