Saltar para o conteúdo principal da página

Edifício em Santarém (antiga Agência do Banco de Portugal) - detalhe

Designação

Designação

Edifício em Santarém (antiga Agência do Banco de Portugal)

Outras Designações / Pesquisas

Edifício na Rua Conselheiro Figueiredo Leal
Actual sede da Divisão de Cultura do Município / Edifício do Banco de Portugal em Santarém / Edifício da Avenida Cinco de Outubro, n.º 1(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Banco

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Santarém / Santarém / União de Freguesias da cidade de Santarém

Endereço / Local

Rua Conselheiro Figueiredo Leal
Santarém

Número de Polícia: 1

Proteção

Situação Actual

Em Vias de Classificação

Categoria de Protecção

Em Vias de Classificação (Homologado como IM -...

Cronologia

Em 21-03-2018 foi solicitada informação à CM de Santarém sobre a situação jurídica do procedimento de classificação
Enviada cópia do processo pelo Ministério da Cultura à CM de Santarém em 27-05-2010 a fim de ponderar a conclusão do procedimento
Edital N.º 75/97 de 10-04-1997 da CM de Santarém
Despacho de homologação de 20-10-1996 do Ministro da Cultura
Parecer de 24-01-1994 do Conselho Consultivo do IPPAR a propor a classificação como VC
Proposta de classificação de 5-02-1992 da CM de Santarém

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Em 1890, a sede do Banco de Portugal passa a localizar-se em Santarém, tendo para tal, o Governo Civil cedido um espaço de caractér meramente provisório até à construção de um edifício adequado. Esta tarefa só é levada a bom termo em finais de 1899, tendo as obras do que é hoje conhecido como edifício do ex-Banco de Portugal, sido supervisionadas e conduzidas por Júlio Francisco José de Sousa. Localizado em pleno centro histórico, de planta longitudinal, rectangular e volumes simples, esta construção está parcialmente adossada ao Teatro Rosa Damasceno. A fachada central, de cobertura a quatro águas, caracteriza-se pela existência de um único registo, sendo rasgada por uma porta ladeada por duas janelas de dupla verga, ambas de secção rectangular. O pano murário é animado por uma cornija saliente decorada por pequenos motivos geométricos, sendo o remate constituído por uma platibanda interrompida na zona central por um frontão curvo, este mais elevado. Os corpos laterais rimam a mesma tipologia, sendo no entanto rasgados por quatro janelas, também estas de secção rectangular. O interior do edifício (composto por cave, andar térreo e sotão) destaca-se pelo recurso a soluções decorativas e estruturais de feição maneirista e barroca, sublinhando o caracter eclético de toda a construção, corrobado no alçado exterior pela sugestão de imitação das fachadas de habitação burguesas, ao tempo em voga. Esta proposta, não é de todo inocente, já que " com a ascensão de uma burguesia conquistadora, as casas bancárias ganharam um lugar de relevo no contexto das actividades económicas e, por essa razão, sentiu-se necessidade de construir edifícios apropriados a essa função nas principais cidades do país" ( CUSTÓDIO, 1997, p.177) SCP

Imagens