Saltar para o conteúdo principal da página

Palácio dos Condes de Figueira - detalhe

Designação

Designação

Palácio dos Condes de Figueira

Outras Designações / Pesquisas

Palácio dos Condes de Figueira (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Palácio

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Lisboa / São Vicente

Endereço / Local

Calçada da Graça
Lisboa

Número de Polícia: 1-1 D

Calçada de Santo António
Lisboa

Número de Polícia: 2-14

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 740-BO/2012, DR, 2.ª série, n.º 248 (suplemento), de 24-12-2012 (ver Portaria)
Despacho de homologação de 3-06-2003 do Ministro da Cultura
Parecer favorável de 7-05-2003 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de 5-02-1999 da DR de Lisboa do IPPAR para a classificação como IIP
Edital N.º 84/96 de 6-08-1996 da CM de Lisboa
Despacho de abertura de 4-06-1996 do vice-presidente do IPPAR
Proposta de 30-05-1996 da DR de Lisboa do IPPAR para a abertura da instrução do processo de classificação
Proposta de classificação de 24-04-1996 da DGEMN

ZEP

Portaria n.º 828/2015, DR, 2.ª série, n.º 216, de 4-11-2015 (com restrições) (retificou as freguesias e revogou o diploma anterior) (ver Portaria)
Portaria n.º 783/2015, DR, 2.ª série, n.º 201, de 14-10-2015 (com restrições) (ver Portaria)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 22-09-2015 do diretor-geral da DGPC
Em 21-09-2015 foi dado conhecimento do despacho à CM de Lisboa
Despacho de concordância de 17-09-2015 do diretor-geral da DGPC
Proposta de 11-09-2015 do Departamento dos Bens Culturais da DGPC para a manutenção das restrições aprovadas
Proposta de 10-07-2015 da CM de Lisboa para a alteração de algumas restrições
Anúncio n.º 102/2015, DR, 2.ª série, n.º 95, de 18-05-2015 (ver Anúncio)
Despacho de concordância de 2-04-2014 do diretor-geral da DGPC
Proposta de 19-12-2014 do Departamento dos Bens Culturais da DGPC para reposição de algumas das restrições
Despacho de concordância de 27-11-2014 do diretor-geral da DGPC
Parecer de 15-10-2014 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura a propor a alteração de algumas das restrições
Parecer favorável de 30-09-2013 da CM de Lisboa
Em 13-08-2013 foi solicitado à CM de Lisboa o envio de parecer sobre a proposta
Despacho de concordância de 8-05-2013 do subdiretor-geral da DGPC
Proposta de 5-08-2013 do Departamento dos Bens Culturais da DGPC
Despacho de 8-02-2013 da diretora-geral da DGPC a determinar a revisão da proposta de ZEP
Proposta de 17-05-2012 da DRC de Lisboa e Vale do Tejo para a ZEP deste imóvel
Despacho de 18-10-2011 do diretor do IGESPAR, I.P. a concordar com o parecer e a devolver o processo à DRC de Lisboa e Vale do Tejo para apresentar propostas de ZEP individuais, ou conjuntas nos casos em que tal se justifique
Parecer de 10-10-2011 da SPA do Conselho Nacional de Cultura a propor o arquivamento
Proposta de 22-08-2006 da DR de Lisboa para a ZEP conjunta do Castelo de São Jorge e restos das cercas de Lisboa, Baixa Pombalina e imóveis classificados na sua área envolvente

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Em 1490, D. João II dá permissão ao nobre D. João de Mendonça para construir uma casa de habitação junto da Muralha. Esta edificação, conhecerá ao longo dos séculos XV, XVII e XVIII, sucessivas fases construtivas, sendo no século XVII que ocorre uma maior intervenção, com o alargamento do andar nobre e a estrutura do portal principal, coroado por frontão angular. No século XIX, uma união matrimonial com o primeiro Conde de Figueira faz com que o palácio transite para o património desta família, embora ainda se possa ver na fachada, assente em arquitrave, a pedra de armas da família Mendonça. Este palácio, de planta quadrangular e telhado com cobertura de quatro águas está adossado às muralhas fernandinas, estruturando-se em piso térreo e andar nobre. Os volume pétreos, de grande solidez, são demarcados por fortes cunhais que assinalam a passagem para o andar nobre; este é coroado por cornija saliente e rasgado por oito janelas de sacada e de vão rectangular.

Imagens