Saltar para o conteúdo principal da página

Theatro Club da Póvoa de Lanhoso - detalhe

Designação

Designação

Theatro Club da Póvoa de Lanhoso

Outras Designações / Pesquisas

Teatro Club da Póvoa de Lanhoso / Quartel de Bombeiros de Póvoa de Lanhoso (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Teatro

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Braga / Póvoa de Lanhoso / Póvoa de Lanhoso (Nossa Senhora do Amparo)

Endereço / Local

Largo António Lopes
Póvoa de Lanhoso

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 464/2012, DR, 2.ª série, n.º 183, de 20-09-2012 (ver Portaria)
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Anúncio n.º 14166/2011, DR, 2.ª série, n.º 192, de 6-10-2011 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 18-05-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 30-03-2011 da DRC do Norte para a classificação como MIP
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Despacho de abertura de 13-10-1995 do presidente do IPPAR
Proposta de 11-10-1995 da DR do Porto do IPPAR para a abertura da instrução do processo de classificação

ZEP

Portaria n.º 464/2012, DR, 2.ª série, n.º 183, de 20-09-2012 (sem restrições) (ver Portaria)
Anúncio n.º 14166/2011, DR, 2.ª série, n.º 192, de 6-10-2011 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 18-05-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 30-03-2011 da DRC do Norte

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A tradição teatral de Póvoa de Lanhoso encontra-se bem expressa nos grupos de teatro que, no século XIX, emergiram nesta localidade (SANTOS, 1990, p. 197). Todavia, seria necessário esperar pelos primeiros anos da centúria seguinte para que os seus habitantes dispusessem de um teatro onde representar, e ver as diversas peças que desde então por aqui passaram. O novo edifício, concluído em 1904, conforme atesta a data patente na fachada, devia acolher, no piso térreo, o quartel dos bombeiros, reservando o andar superior para o teatro. Desta forma, António Lopes, considerado o grande benemérito de Póvoa de Lanhoso, proporcionava aos seus conterrâneos dois equipamentos que estes reclamavam há algum tempo.
Implantado no largo que já no início do século era denominado por Largo António Lopes, o teatro inscreve-se num conjunto de alterações urbanísticas ocorridas desde o final do século XIX, que modificaram consideravelmente o traçado de Póvoa de Lanhoso, e que se devem à iniciativa de António Lopes. Emigrado no Brasil, este homem regressou na posse de uma larga fortuna (consideravelmente aumentada após a morte da mulher) que, à semelhança de tantos outros "brasileiros", aplicou na sua terra natal (embora tenha nascido no Lugar de Oliveira, situado na freguesia de Fontarcada).
A fachada do teatro, totalmente revestida por azulejo monocromático, impõe-se pelas suas dimensões, apresentando pilastras com capitéis coríntios nos cunhais e vãos envoltos por molduras de cantaria. Termina em frontão triangular, rematado por pináculos. No interior, para além das dependências próprias deste género de espaço, encontramos o salão principal, decorado com pinturas murais executadas pelos mesmos artistas que o arquitecto Moura Coutinho, de Braga, havia contratado para trabalhar na casa de habitação de António Lopes, o denominado Palacete das casas Novas, situado no mesmo largo (IDEM, p. 115 e 199).
Com o passar dos anos, o teatro foi sendo cada vez menos utilizado, e em meados do século XX encontrava-se bastante decadente, desaparecendo ou arruinando-se boa parte das decorações do seu interior. A tela da boca de cena, uma pintura a óleo dos anos 20, com a representação de uma perspectiva da vila de Póvoa de Lanhoso, e executada por um artista de origem lisboeta mas que viveu muito tempo nesta localidade, José Augusto Távora (1891-1956), encontra-se no Salão Nobre da Câmara Municipal (IDEM, p. 62).
Já nos anos 80, a autarquia adquiriu o imóvel e, entretanto, também os Bombeiros beneficiaram uma nova sede, abandonando o edifício do teatro que deverá ser alvo de um projecto de recuperação e revitalização, aproveitando-se este espaço no piso térreo para uma galeria de exposições.
(Rosário Carvalho)

Imagens

Bibliografia

Título

Monografia da freguesia da Póvoa de Lanhoso, Nossa Senhora do Amparo

Local

Braga

Data

1990

Autor(es)

SANTOS, Manuel Magalhães dos

Título

Terras de Lanhoso: monografias

Local

Póvoa de Lanhoso

Data

1987

Autor(es)

NORTON, Maria Henriqueta C. R. Teixeira da Mota, FREITAS, Paulo Alexandre Ribeiro

Título

António Lopes: o grande benemérito da Póvoa de Lanhoso, Diário do Minho

Local

Braga

Data

2004

Autor(es)

ENCARNAÇÃO, Marta, ASSIS, Francisco de