Saltar para o conteúdo principal da página

Parte remanescente de palácio do séc. XVIII, na Rua dos Cavaleiros - detalhe

Designação

Designação

Parte remanescente de palácio do séc. XVIII, na Rua dos Cavaleiros

Outras Designações / Pesquisas

Museu Cargaleiro / Recolhimento de Santa Maria Madalena / Parte remanescente de palácio do século XVIII, na Rua dos Cavaleiros (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Palácio

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Castelo Branco / Castelo Branco / Castelo Branco

Endereço / Local

Rua dos Cavaleiros
Castelo Branco

Número de Polícia: 23

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

Edital n.º 75/2004 de 2-04-2004 da CM de Castelo Branco
Deliberação de 4-07-2003 da CM de Castelo Branco
Enviada cópia do processo à CM de Castelo Branco, em 13-05-2003, a fim de ponderar a conclusão da tramitação, por ter passado a ser competência camarária
Despacho de homologação de 28-02-1997 do Ministro da Cultura
Parecer de 10-12-1996 do Conselho Consultivo do IPPAR a propor a classificação como VC
Proposta de 1-06-1978 da Comissão Organizadora do ISPCN

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Embora nos séculos XVII e XVIII a cidade de Castelo Branco se tenha, naturalmente, desenvolvido fora das muralhas primitivas, - o que se reflecte na construção e reconstrução de edifícios de carácter religioso e civil fora da cerca -, a zona mais antiga sofreu algumas intervenções (LEITE, 1991, p. 40), como demonstra a edificação do palácio na Rua dos Cavaleiros, em finais do século XVII.
Parte do edifício foi adaptado a prédio de rendimento na segunda metade do século XX, mas a zona restante conserva a estrutura setecentista chã com elementos de gosto barroco. O que reflecte a tendência arquitectónica deste período na cidade de Castelo Branco, onde o conservadorismo e a inovação andam a par.
Na fachada principal, regular e simétrica, destacam-se os dois portais se configuração semelhante, apenas diferenciados pelas pedras d'armas, sendo que a do portal principal apresenta escudo partido com as armas dos Cabrais e dos Castros no flanco, e no timbre um símbolo de Bispo. No segundo registo as janelas foram rebocadas ao nível do avental, o que poderá indiciar a anterior existência de janelas de sacada. No interior destaca-se a escadaria de três lanços, no átrio, que permite o acesso ao andar nobre.
O antigo palácio impõe-se no urbanismo antigo pela fachada de granito, onde sobressaem os brasões, símbolos da hierarquia social e do poder espiritual e temporal dos seus habitantes (LEITE, 1991, pp. 40-41).
Actualmente, e uma vez concluídas as obras de adaptação, este imóvel irá acolher o primeiro Museu da Fundação do pintor e ceramista Manuel Cargaleiro, natural de Vila Velha de Ródão. O projecto inclui, para além do museu com peças de arte moderna portuguesa e artes decorativas, um núcleo de oficinas que terão como missão incentivar a formação profissional em áreas tão características deste distrito como os bordados de Castelo Branco. A inauguração do espaço está prevista para o mês de Setembro de 2004.
Rosário Carvalho

Imagens

Bibliografia

Título

Castelo Branco na História e na Arte

Local

-

Data

1958

Autor(es)

-

Título

Castelo Branco

Local

Lisboa

Data

1991

Autor(es)

LEITE, Ana Cristina

Título

Monographia de Castello Branco

Local

Elvas

Data

1891

Autor(es)

ROXO, António