Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja de São Bento da Cividade - detalhe

Designação

Designação

Igreja de São Bento da Cividade

Outras Designações / Pesquisas

Ermida de São Bento da Cevidade (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Leiria / Batalha / Golpilheira

Endereço / Local

-- --
Golpilheira

Proteção

Situação Actual

Procedimento encerrado / arquivado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Não aplicável

Cronologia

Despacho de encerramento camarário de 1-09-2011
Procedimento caducado nos termos do artigo 78.º do Decreto-Lei n.º 309/2009, DR, 1.ª série, N.º 206 de 23-10-2009 (ver Diploma)
Devolvido pelo MC ao IGESPAR, I.P. para reponderar a classificação por ser propriedade da Igreja Católica, não podendo por isso ser classificado como IM
Parecer de 31-10-2007 do Conselho Consultivo do IGESPAR, I.P. a propor que se mantenha a homologação
Despacho de homologação de 19-06-1984 do Ministro da Cultura
Parecer de 12-06-1984 da Assessoria Técnica do IPPC a propor a classificação como VC (actual IM)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O templo de São Bento da Cividade, que serviu de ermida aos frades dominicanos do Mosteiro de Santa Maria da Vitória, foi edificado na primeira metade do século XVI, em substituição de uma ermida medieval que aí existia, e da qual não restaram quaisquer vestígios. Em 1513, servia de sede a uma confraria de defuntos da Albergaria do Furadouro, o que comprova que a estrutura da pequena igreja, pelo menos, estaria já edificada à época.
Sabe-se, no entanto, que as obras se arrastariam ao longo de toda a centúria de Quinhentos, uma vez que a documentação refere que tanto o alpendre como a sacristia só foram construídos em 1582 (O Couseiro ou Memórias do Bispado de Leiria, 1868, p. 113).
De planta rectangular, é composta por nave, capela-mor e sacristia, sendo o conjunto precedido por alpendre com cobertura assente sobre colunas toscanas e muro. A fachada é rasgada ao centro por portal de moldura rectangular simples, com friso superior, ladeado por dois postigos e encimado por cruz embebida no pano murário. Do lado esquerdo, na extremidade da empena, foi colocada a sineira.
Na fachada lateral direita, suportada por contrafortes, abre-se uma porta de acesso ao interior. A fachada oposta corresponde ao corpo da sacristia, mais recuado, ao qual se acede por porta exterior.
A nave é coberta por tecto de madeira e revestida por painéis de azulejo de padrão industrial, separando-se do presbitério por degrau, onde assenta um arco de volta perfeita em cantaria. Este abre para a capela-mor, cujo espaço é mais estreito e baixo e igualmente decorado por painéis de azulejo. Ao fundo, ladeando o altar, duas mísulas sustentam as imagens do padroeiro e da Virgem, ladeando a representação de Cristo Crucificado. Do lado do Evangelho, uma porta permite o acesso ao interior da sacristia, de planta rectangular, com tecto de madeira. Na parede lateral foi colocada uma inscrição, em 1949 alusiva a doações dos fiéis.
Catarina Oliveira
DIDA/ IGESPAR, I.P./ Julho de 2010

Bibliografia

Título

O concelho da Batalha

Local

Batalha

Data

1987

Autor(es)

ESPÍRITO SANTO, Moisés

Título

O Couseiro - Memórias do Bispado de Leiria

Local

Braga

Data

1868

Autor(es)

-