Saltar para o conteúdo principal da página

Nicho seiscentista (pertencente à antiga Capela dos Duques de Aveiro) - detalhe

Designação

Designação

Nicho seiscentista (pertencente à antiga Capela dos Duques de Aveiro)

Outras Designações / Pesquisas

Nicho Seiscentista de Abiul (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Nicho

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Leiria / Pombal / Abiul

Endereço / Local

-- --
Abiul

Proteção

Situação Actual

Em Vias de Classificação

Categoria de Protecção

Em Vias de Classificação (Homologado como IM -...

Cronologia

Enviada cópia do processo pelo Ministério da Cultura à CM de Pombal em 24-06-2010 a fim de ponderar a conclusão do procedimento
Despacho de homologação de 29-05-1990 do Secretário de Estado da Cultura
Parecer de 15-03-1990 do Conselho Consultivo do IPPC a propor a classificação como VC
Parecer desfavorável de 1-02-1990 do IPPC, por, tratando-se de vestígio único da antiga capela, não ter valor excepcional
Proposta de classificação de 16-09-1986 da CM de Pombal

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
O nicho seiscentista que outrora integrou a capela do Paço dos Duques de Aveiro encontra-se em Abiul, pequena localidade situada a sudeste de Pombal. Esta estrutura surge implantada numa courela cultivada e murada onde também são visíveis alguns vestígios do referido Paço.
Este imóvel corresponde a um nicho em pedra integrado num maciço de alvenaria de pedra e tijolo bastante arruinado, sendo o único testemunho visível de uma capela que estaria junto ao antigo Paço. Compõe-se de um arco pleno decorado com motivos florais assente em pilastras com capitéis de tipo coríntio e rosetas nas aduelas. A arquitrave lisa surge encimada por cornija que, por sua vez, sustenta um interessante frontão de volutas. Apresenta ainda a parede do fundo em alvenaria de pedra e reboco e, por baixo, a parede apresenta um ressalto que poderá corresponder à zona de encaixe de um altar. Apesar de arruinado este interessante elemento arquitetónico usufrui de um bom enquadramento paisagístico dada a quantidade de vegetação que se conserva na envolvente.

História
Abiul é uma antiga vila com foral de 1167, tendo sido doada, em 1175, ao Mosteiro do Lorvão. Em meados do século XIII uma parte do senhorio da vila foi alienado aos ascendentes de André Sousa Coutinho mas, após o falecimento deste, Abiul passa para as mãos da Casa de Aveiro. Em 1759, por alegada implicação no regicídio de D. José I, D. José de Mascarenhas, duque de Aveiro e também mordomo-mor da casa real, é condenado à morte e todos os seus bens são confiscados, entre eles os de Abiul que são vendidos em hasta pública. A partir daí a vila entra em decadência, tendo sofrido sobretudo com as Invasões Francesas.
Presume-se que tenha sido no século XVI que a capela, onde o nicho esteve inserido, foi construída. No entanto, poderá considerar-se que tendo em conta as ruínas existentes, que todo o terreno apresenta um importante potencial arqueológico sendo passível de um estudo que possa contribuir para que tanto a capela como os restos do Paço possam vir a ser melhor compreendidos e valorizados.

Maria Ramalho/DGPC/2019.

Imagens