Saltar para o conteúdo principal da página

Teatro Chaby Pinheiro - detalhe

Designação

Designação

Teatro Chaby Pinheiro

Outras Designações / Pesquisas

Teatro Chaby Pinheiro(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Teatro

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Leiria / Nazaré / Nazaré

Endereço / Local

Rua Brito Alão
Sítio da Nazaré

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

A classificação como VC foi convertida para IM nos termos do n.º 2 do art.º 112.º da Lei n.º 107/2001, publicada no DR, I Série-A, N.º 209, de 8-09-2001
Decreto n.º 28/82, DR, I Série, n.º 47, de 26-02-1982 (classificou como VC) (ver Decreto)
Edital de 9-09-1977 da CM da Nazaré
Despacho de concordância de 11-10-1976 do Secretário de Estado da Investigação Científica
Parecer de 1-10-1976 da 4.ª Subsecção da 2.ª Secção da JNE a propor a classificação como VC
Proposta de classificação de 18-03-1976 da DGAC

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
O teatro Chaby Pinheiro está situado num pequeno largo junto à cabeceira da Igreja de Nossa Senhora da Nazaré. Tem um volume paralelipipédico com cobertura de duas águas, a que corresponde no interior uma sala de espetáculos com uma planta à italiana, que mantem a estrutura de madeira inicial, bem como a decoração e o mobiliário de inspiração arte nova.
A fachada principal segue a forma da cobertura, com uma empena triangular rematada superiormente por elementos escultóricos em pedra alusivos ao teatro (máscara e instrumentos musicais). No pano central abrem-se os vãos com vergas curvas guarnecidas com cantaria decorada com elementos arte nova onde se evidenciam as chaves dos arcos, e uma cartela com a inscrição "THEATRO", complementada pelo nome "CHABY PINHEIRO" pintado. Os dois panos laterais, um de cada lado, são também decorados com cartelas onde se lê "ANNO" no esquerdo e "1907" no direito. O seu remate superior tem um desenho que evoca o ritmo de ameias, análogo ao que remata a parte central do edifício.
Destacam-se no interior as frisas e camarotes em madeira, e as pinturas executadas por Frederico Aires em 1923 para o teto com motivos florais, e para o proscénio, pano de boca, bambolina e cenários.
História
Projeto de 1899 encomendado a Ernesto Korrodi e ao Eng. José Theriaga pela Real Casa de Nossa Senhora da Nazaré (Casa da Nazaré, depois da proclamação da República, e atualmente Confraria de Nossa Senhora da Nazaré), para substituir um tablado existente desde meados do século XVIII, onde se realizavam representações teatrais aquando das romarias no Santuário para o Círio de Lisboa, e em especial para o Círio de Nossa Senhora da Vitória (OLIVEIRA, 58). O espólio relativo ao projeto está guardado no Arquivo Distrital de Leiria, com o Código de referência: PT/ADLRA/PSS/EKO/C-A/006-030/0000.
Em 1907 foi efetuado um concurso para a "Construção do Theatro da Real Casa da Senhora da Nazareth", e em fevereiro de 1908 terminou a primeira empreitada, paga após vistoria e aprovação de Korrodi. As obras foram então interrompidas, tendo havido problemas após a implantação da República entre a Câmara e a administração da Real Casa da Senhora da Nazaré. Foram retomadas em 23 de fevereiro de 1923, tendo Frederico Ayres sido contratado para as pinturas do proscénio e do teto, do pano de boca, bambolina e cenário, e concluídas em 1926 (documentação do Arquivo da Confraria de Nossa Senhora da Nazaré, compilada por C. Fidalgo). "Em 1926 as obras foram dadas por concluídas. O teatro estava magnífico! Ao entrar o público deparava-se com um lindo pano de boca, representando uma mulher, com trajos romanos, olhando para a plateia. No proscénio, a ladear o escudo português e as iniciais da Casa da Nazaré (CN), frescos sobre a comédia e a tragédia grega. Por sua vez, o teto apresentava motivos florais" (ver http://www.cm-nazare.pt/pt/teatro-chaby-pinheiro).
Foi inaugurado em 5 de fevereiro de 1926, com a Companhia de Chaby Pinheiro que apresentou as peças "O conde Barão" e o "Leão da Estrela", motivo pelo qual foi dado este nome ao teatro. "O Teatro Chaby Pinheiro terá um papel crucial no desenvolvimento do teatro amador na Nazaré, ao longo da sua existência. Muitas peças levadas à cena pelo Grupo Amador de Teatro da Nazaré, na década de quarenta, foram ensaiadas e representadas neste valioso espaço" (HILÁRIO: 2010, citado por C. Fidalgo).
A procissão do Círio da Nazaré existe também em Belém do Pará, sendo uma importante manifestação religiosa e cultural, tendo sido inscrita na Lista do Património Imaterial da Humanidade da Unesco em 2013.
Maria Helena Ribeiro dos Santos, DGPC, 2015
Colaboração de Carlos Fidalgo, Câmara Municipal de Nazaré, 2015

Imagens

Bibliografia

Título

Ernesto Korrodi 1889-1944: arquitectura, ensino e restauro do património

Local

Lisboa

Data

1997

Autor(es)

COSTA, Lucília Verdelho da

Título

O Teatro na Nazaré: de 1879 a 1926.

Local

-

Data

-

Autor(es)

HILÁRIO, Ana Adelaide

Título

Ernesto Korrodi. Roteiro na cidade de Leiria

Local

-

Data

-

Autor(es)

OLIVEIRA, Maria Genoveva