Saltar para o conteúdo principal da página

Parque de "Alta Vila" (conjunto) - detalhe

Designação

Designação

Parque de "Alta Vila" (conjunto)

Outras Designações / Pesquisas

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Parque

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Aveiro / Águeda / Águeda e Borralha

Endereço / Local

Rua da Alta Vila
Águeda

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

A classificação como VC foi convertida para IM nos termos do n.º 2 do art.º 112.º da Lei n.º 107/2001, publicada no DR, I Série-A, N.º 209, de 8-09-2001
Decreto n.º 2/96, DR, I Série-B, n.º 56, de 6-03-1996 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Conjunto
Situado no centro de Águeda, o Parque de Alta Vila é a maior área verde da cidade. Este espaço é uma estrutura de lazer de influência inglesa, numa tipologia que se tornou muito comum no urbanismo europeu do século XIX.
Constituído por uma área de mais de 30.000 metros quadrados, o parque desenvolve-se numa forma irregular, com trajetos sinuosos e falsas ruínas. No centro do jardim localiza-se a casa principal, um chalet em aparelho de pedra e madeira onde habitavam os proprietários originais do Parque, à qual se adossa o pavilhão de caça.
No espaço pode também encontrar-se um lago, atravessado por duas pontes, um coreto em ferro, um campo de ténis, uma capela, a casa do guarda, grutas fingidas e ruínas criadas para conferir impacto cenográfico.
História
O Parque de Alta Vila foi edificado entre 1848 e 1902, quando o seu proprietário, o Dr. Eduardo Caldeira, filho do Visconde da Borralha, optou por transformar a propriedade que possuía no centro de Águeda num extenso jardim, abundante de árvores exóticas e outra vegetação. A estrutura inscreve-se no gosto romântico oitocentista, que privilegiava a vivência no meio da natureza sem prescindir dos luxos e dos prazeres que só a sociedade citadina poderia oferecer.
Em 1910 o parque mudou de proprietários, que fizeram algumas alterações nos espaços habitacionais. Algumas décadas mais tarde, uma fração do espaço foi doada em testamento à Câmara Municipal de Águeda, que adquiriu a parte restante em 1985.
Depois desta data, a autarquia requalificou o Parque, tornando-o o espaço público de excelência da cidade.
O conjunto foi classificado como de interesse municipal em 1996.
Catarina Oliveira
DGPC, 2017

Imagens