Saltar para o conteúdo principal da página

Casa na Rua do Outeiro (actual Rua José Estêvão), 47 e 49 - detalhe

Designação

Designação

Casa na Rua do Outeiro (actual Rua José Estêvão), 47 e 49

Outras Designações / Pesquisas

Casa na Rua José Estêvão, n.º 47 a 49(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Santarém / Abrantes / Abrantes (São Vicente e São João) e Alferrarede

Endereço / Local

Travessa do Almada
Abrantes

Rua José Estêvão (Antiga Rua do Outeiro)
Abrantes

Número de Polícia: 47-49

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

A classificação como VC foi convertida para IM nos termos do n.º 2 do art.º 112.º da Lei n.º 107/2001, publicada no DR, I Série-A, N.º 209, de 8-09-2001
Decreto n.º 129/77, DR, I Série, n.º 226, de 29-09-1977 (Nota - O decreto considerou incorretamente os números 47 e 49 como dois imóveis distintos) (ver Decreto)
Edital de 2-01-1976 da CM de Abrantes
Despacho de homologação de 18-03-1975 do Secretário de Estado da Cultura e Educação Permanente
Parecer favorável de 7-03-1975 da 4.ª Subsecção da 2.ª Secção da JNE
Proposta do delegado da JNE no concelho para a classificação como VC

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Situado no topo da Rua José Estêvão, o edifício correspondente aos números 47-49 destaca-se pelas suas dimensões, consideravelmente superiores às restantes edificações desta artéria, apresentando duas fachadas, uma das quais virada para a Travessa do Almada. O seu impacto e imponência cenográfica é significativa, principalmente se observado a partir da rua que lhe é fronteira.
O imóvel desenvolve-se em três andares, ganhando especial destaque o piso intermédio, onde se encontram as janelas de sacada. Todos os vãos são simétricos, sendo que no piso térreo se rasgam duas portas e um óculo quadrilobado ao centro, a que correspondem três janelas nos restantes andares. Renata o conjunto uma mansarda axial, ladeada por aletas que formam um pequeno frontão. No seu interior, bastante elevado, rasga-se a janela de sacada, protegida por gradeamento de ferro.
Na fachada lateral, repete-se o mesmo esquema, com três vãos em cada piso, mas o remate é em frontão triangular, com janela inscrita no seu interior.
Ressalta do conjunto um forte sentido de regularidade e proporção, que não deixa de recordar os modelos pombalinos da baixa lisboeta, principalmente aqueles que foram construídos já numa fase posterior e, por isso mesmo, um pouco afastados dos esquemas originais, como o prova a mansarda. Na realidade, desconhecemos a data de construção do imóvel, mas as características apontadas permitem situá-lo entre o final do século XVIII e a primeira metade de Oitocentos, integrando-se, ainda, no surto construtivo ocorrido em Abrantes entre os séculos XVIII e XIX, fruto do desenvolvimento industrial que então se fazia sentir.
(RC)

Imagens

Bibliografia

Título

Toponimia Abrantina.

Local

-

Data

-

Autor(es)

CAMPOS, Eduardo