Saltar para o conteúdo principal da página

Casa na Rua do Outeiro (actual Rua José Estêvão), 3 e 3-A - detalhe

Designação

Designação

Casa na Rua do Outeiro (actual Rua José Estêvão), 3 e 3-A

Outras Designações / Pesquisas

Casa na Rua José Estêvão, n.º 3(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Santarém / Abrantes / Abrantes (São Vicente e São João) e Alferrarede

Endereço / Local

Rua José Estêvão (Antiga Rua do Outeiro)
Abrantes

Número de Polícia: 3-3 A

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

A classificação como VC foi convertida para IM nos termos do n.º 2 do art.º 112.º da Lei n.º 107/2001, publicada no DR, I Série-A, N.º 209, de 8-09-2001
Decreto n.º 129/77, DR, I Série, n.º 226, de 29-09-1977 (Nota - O decreto considerou incorretamente os números 3 e 3-A como dois imóveis distintos) (ver Decreto)
Edital de 2-01-1976 da CM de Abrantes
Despacho de homologação de 18-03-1975 do Secretário de Estado da Cultura e Educação Permanente
Parecer favorável de 7-03-1975 da 4.ª Subsecção da 2.ª Secção da JNE
Proposta do delegado da JNE no concelho para a classificação como VC

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O imóvel correspondente ao número 3-3A da Rua José Estevão situa-se na esquina desta artéria com a Rua D. Miguel de Almeida, apresentando por isso duas fachadas. Ambas são definidas por pilastras rematadas por capitéis jónicos, executados em alvenaria. Na frontaria da Rua José Estêvão suportam um frontão cuja base é sugerida apenas pela zona correspondente às pilastras. Mais estreito, este alçado apresenta duas portas que acompanham o declive da rua, uma janela de sacada no primeiro piso, a que se sobrepõe, no segundo andar, uma outra janela. Todos os vãos apresentam molduras rectas, pintadas a amarelo, que não se encontram centradas em relação à fachada.
Na Rua D. Miguel de Almeida, verificamos que o imóvel se desenvolve também em três andares. O piso térreo é rasgado por uma janela, o primeiro andar por uma janela de sacada e um óculo e, por fim, duas outras janela encontram-se junto ao friso que remata o alçado. As molduras de todos os vãos são idênticos aos da outra frontaria.
Desconhecemos a época de construção do edifício, mas as suas características, que se integram no surto construtivo que a cidade de Abrantes conheceu entre os séculos XVIII e XIX, permitem-nos apontar, como provável período de edificação a segunda metade do século XVIII ou o início da centúria seguinte. Sem elementos decorativos ou arquitectónicos que possibilitem defender uma cronologia mais específica. O imóvel não deixa de se destacar pelas pilastras com capitéis jónicos, que lhe conferem um carácter muito próprio, afastando-se da excessiva depuração bem patente na restante composição das fachadas.
(RC)

Imagens

Bibliografia

Título

Toponimia Abrantina.

Local

-

Data

-

Autor(es)

CAMPOS, Eduardo