Saltar para o conteúdo principal da página

Casa na Rua Actor Taborda, 40 e 42 - detalhe

Designação

Designação

Casa na Rua Actor Taborda, 40 e 42

Outras Designações / Pesquisas

Edifício na Rua Actor Taborda, n.º 40 a 42 (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Santarém / Abrantes / Abrantes (São Vicente e São João) e Alferrarede

Endereço / Local

Rua Actor Taborda (Antiga Rua Adiante)
Abrantes

Número de Polícia: 40-42

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

A classificação como VC foi convertida para IM nos termos do n.º 2 do art.º 112.º da Lei n.º 107/2001, publicada no DR, I Série-A, N.º 209, de 8-09-2001
Decreto n.º 129/77, DR, I Série, n.º 226, de 29-09-1977 (Nota - O decreto considerou incorretamente os números 40 e 42 como dois imóveis distintos) (ver Decreto)
Edital de 2-01-1976 da CM de Abrantes
Despacho de homologação de 18-03-1975 do Secretário de Estado da Cultura e Educação Permanente
Parecer favorável de 7-03-1975 da 4.ª Subsecção da 2.ª Secção da JNE
Proposta do delegado da JNE no concelho para a classificação como VC

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A Rua Actor Taborda corresponde às antigas Rua Adeante e Rua da Esperança, cujas referências documentais são contemporâneas do convento da Esperança, edificado no último quartel do século XVI (CAMPOS, 1989, pp. 210-211). No quadro do desenvolvimento urbano de Abrantes, esta é uma das artérias mais significativas, por ser um dos acessos privilegiados ao exterior da cidade. A sua designação actual deve-se ao actor Francisco Alves da Silva Taborda, natural de Abrantes (1824-1909), cujo nome é associado a um percurso ímpar na comédia do século XIX.
Do conjunto de edifícios que definem esta artéria, a casa com os números 40 e 42 destaca-se pelo seu maior volume, e pelo cuidado na composição das molduras dos vãos, ainda que estes não correspondam a uma simetria rigorosa. De facto, o imóvel desenvolve-se em três andares, com duas portas, janela e óculo no primeiro, e duas janelas nos restantes. Contudo, as molduras são diferenciadas e uma em cada duas janelas dos pisos superiores são de sacada. O rodapé, pilastras e cimalha demarcam todo o edifício, conferindo-lhe uma unidade plástica.
A sua construção não se deverá afastar dos meados do século XVIII, coincidindo com um período de crescimento urbano de que o conjunto de imóveis classificados de Abrantes é um dos testemunhos mais significativos. Se a partir desta centúria a indústria, e em especial a indústria ligada às sedas, ganhou especial importância, também o desenvolvimento económico noutras áreas, como a agricultura e as actividades ligadas ao rio, foram factores decisivos para a expansão da cidade. Se não, veja-se o arrolamento com data 1757 onde se encontram "2 calafates, 1 pedreiro, 6 mancebos, 3 trabalhadores, 3 mareantes, 2 barqueiros, 2 hortelãos, 2 carpinteiros, 9 sapateiros, 1 barbeiro, 1 doutor, 1 azemel e 2 seareiros" (CAMPOS, 1989, p. 212).
(RC)

Imagens

Bibliografia

Título

Toponimia Abrantina.

Local

-

Data

-

Autor(es)

CAMPOS, Eduardo