Saltar para o conteúdo principal da página
Património Cultural

Capela do Espírito Santo - detalhe

Designação

Designação

Capela do Espírito Santo

Outras Designações / Pesquisas

Capela do Espírito Santo (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Capela

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Mafra / Igreja Nova e Cheleiros

Endereço / Local

-- -
Cheleiros

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

A classificação como VC foi convertida para IM nos termos do n.º 2 do art.º 112.º da Lei n.º 107/2001, publicada no DR, I Série-A, N.º 209, de 8-09-2001
Decreto n.º 28/82, DR, I Série, n.º 47, de 26-02-1982 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
A Capela do Espírito Santo, situa-se no núcleo histórico de Cheleiros, junto à Ribeira com o mesmo nome, possuindo um pequeno adro limitado por propriedade privada e pela via pública que passa junto à fachada meridional.
Considera-se que terá sido por volta dos finais do séc. XV, começo do séc. XVI que se inicia a construção do templo, a julgar pelos elementos arquitetónicos manuelinos subsistentes, podendo, no entanto, ser de fundação anterior.
A capela apresenta-se orientada a nascente, ostentando uma planta longitudinal, composta por nave retangular e capela-mor aproximadamente quadrangular, com sacristia anexa localizada a Norte. A fachada, de embasamento direto e delimitada por cunhais em cantaria, é rasgada por portal axial, em ângulo reto, sobrepujado por janelão retangular, ambos com moldura em cantaria e rematada em empena, com beirado e cruz no topo. As coberturas exteriores, em telhado de duas águas, são diferenciadas: uma sobre o corpo da nave e outra, unitária, sobre a cabeceira e sacristia. No alçado Norte surge um corpo anexo. Na continuidade da sacristia e no alçado Sul, rasgado a meio por portal em ângulo reto, vê-se, na extremidade nascente, sobre o telhado, um campanário.
O interior é dominado pela presença de um arco triunfal manuelino de volta perfeita, assente em pés-direitos sobre bases oitavadas, com moldura externa na qual se inscrevem três canopiais com vértices rematados por florões, hoje embebidos na parede; o intradorso do arco e dos pés-direitos é decorado com rosetas estilizadas, sendo a pedra de fecho esculpida com motivo antropomórfico coroado. Este arco encontra-se atualmente sobrelevado, tendo sido assente sobre novas bases. O "alongamento" do arco em altura terá ocorrido muito possivelmente aquando da reconstrução da ermida após 1758 como consequência dos estragos causados pelo sismo de 1755.
Na frontaria, à esquerda do portal, salienta-se, ainda, a existência de uma pia de água benta quinhentista lisa, e um púlpito no alçado Norte, com base de pedra e grade, refeito durante as obras dos anos 80 do séc. XX.
A capela-mor, hoje muito depurada, é rasgada nos alçados Norte e Sul por porta de acesso à sacristia e vão de janela, respetivamente, sendo coberta por teto de três panos. Assinala-se ainda a existência de credência para colocação de objetos eucarísticos, manuelina, em pedra recortada e embutida na parede à esquerda da janela. Na sacristia subsiste nicho de linguagem classicista, composto por pilastras e cobertura em quarto de laranja, rematado por entablamento. Desta, através de vão de porta em ângulo reto, com moldura de cantaria, tem-se acesso a um corredor e subsequente escada que conduzem ao púlpito. As coberturas interiores setecentistas, seguiam sensivelmente o perfil atual, em teto de madeira decorado com pintura.
No século XX, a capela entrou novamente em ruína. Em 1945 ainda servia o culto, mas o registo fotográfico efetuado pela DGEMN, em 1958, revelou um edifício destelhado e com acentuado desgaste das caixas murárias. A paróquia de Cheleiros chamou a si a reconstrução do conjunto, tendo as obras sido realizadas em 1987 com o restauro de caixas murárias e telhados.
Relativamente ao património integrado existente neste capela, destaque-se um fragmento de mesa de altar, identificado em 2013, num terreno anexo e hoje incorporado no Núcleo Museológico do Lagar Velho (Cheleiros) que é propriedade privada.
História
A Capela do Espírito Santo evoca a antiga festividade consagrada à 3.ª pessoa da Santíssima Trindade, culto com tradições que remontam ao século XIV e à figura da rainha D. Isabel de Aragão, mas cujo período áureo terá ocorrido na transição para o século XVI. À capela associa-se também a memória da Albergaria ou Hospital do Espírito Santo cujo portal subsiste ainda na Rua da Albergaria.
Maria Ramalho/DGPC/2015.Colaboração de Ana Pagará, Mª do Carmo Almeida e Paulo A. Fernandes/Câmara Municipal de Mafra.

Outras Descrições

Propriedade e identificação fiscal

Tipo

Informação adicional

Descrição

Santa Casa da Misericórdia de Mafra Artigo matricial - 807 NIP (informação da Caderneta Predial Urbana)

Imagens

Bibliografia

Título

Iconografia do pórtico manuelino da Igreja Matriz de São João das Lampas (Sintra), Artis, nº1

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

SILVA, Carlos Manique da

Título

Origens e Formação das Misericórdias Portuguesas

Local

Lisboa

Data

1999

Autor(es)

CORREIA, Fernando da Silva

Título

Intervenções da Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais na Igreja Matriz de Cheleiros, Mafra - Boletim Cultural '2000, pp.169-184

Local

Mafra

Data

2000

Autor(es)

MACHADO, João Liberata

Título

A arquitectura e a escultura monumental na região de Mafra entre o Gótico e o Classicismo, Do Gótico ao Maneirismo. A arte na região de Mafra na Época dos Descobrimentos, pp.21-31

Local

Mafra

Data

2002

Autor(es)

PEREIRA, Fernando António Baptista

Título

Monografia de Mafra

Local

Mafra

Data

1987

Autor(es)

LUCENA, Armando de

Título

4. Arquitectura e escultura monumental manuelina na região de Mafra, Boletim Cultural 2000, pp.65-82

Local

Mafra

Data

2000

Autor(es)

VILAR, Maria do Carmo

Título

Monumentos e Edifícios Notáveis do Distrito de Lisboa, vol. III (Mafra, Loures e Vila Franca de Xira)

Local

Lisboa

Data

1963

Autor(es)

AZEVEDO, Carlos de, FERRÃO, Julieta, GUSMÃO, Adriano de

Título

Mafra. Monografia

Local

Lisboa

Data

1963

Autor(es)

LUCENA, Armando de

Título

Carta do Património do Concelho de Mafra. 1. O Manuelino, Boletim Cultural '94, pp.309-318

Local

Mafra

Data

1994

Autor(es)

VILAR, Maria do Carmo

Título

Carta do Património do Concelho de Mafra. 1. Notas preliminares à arquitectura das Ermidas do Espírito Santo (Concelho de Mafra), Boletim Cultural 2004, pp. 436-465

Local

Mafra

Data

2005

Autor(es)

PAGARÁ, Ana

Título

A Capela do espírito Santo de Cheleiros, O Concelho de Mafra, n.º 676, 31 de Agosto

Local

Mafra

Data

1961

Autor(es)

MANGENS, José

Título

Festividades e eventos cíclicos tradicionais no Concelho de Mafra (o Pentecostes e o Império do Divino Espírito Santo), Boletim Cultural n. 96

Local

Mafra

Data

1997

Autor(es)

GANDRA, Manuel J.

Título

O Império do Divino Espírito Santo, Folheto da Exposição

Local

Mafra

Data

1990

Autor(es)

GANDRA, Manuel J.

Título

Cheleiros e os seus monumentos; Boletim da Junta de Província da Estremadura, 2.ª série, n.º24/25

Local

Lisboa

Data

-

Autor(es)

ALMEIDA, Raúl Agostinho de

Título

Memórias e Memorialistas. 1. Memórias Paroquiais, Boletim Cultural '96, pp. 307-344

Local

Mafra

Data

1997

Autor(es)

GORJÃO, Sérgio

Título

Notas sobre o urbanismo da antiga vila de Cheleiros, Boletim Cultural 2008, pp. 27-66

Local

Mafra

Data

2009

Autor(es)

FERNANDES, Paulo Almeida

Título

Identidades. Património Arquitectónico do Concelho de Mafra

Local

Mafra

Data

2009

Autor(es)

FERNANDES, Paulo Almeida, VILAR, Maria do Carmo

Título

Cartas da Aldeia LXXI, O Concelho de Mafra, n.º 409, 4 de Março

Local

Mafra

Data

1945

Autor(es)

RESINA, Francisco Duarte