Saltar para o conteúdo principal da página

Capela de Atilhó ou de Santa Margarida - detalhe

Designação

Designação

Capela de Atilhó ou de Santa Margarida

Outras Designações / Pesquisas

Capela de Santa Margarida / Capela de Atilhó / Capela de Santa Margarida(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Capela

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Vila Real / Boticas / Alturas do Barroso e Cerdedo

Endereço / Local

-- -
-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

A classificação como VC foi convertida para IM nos termos do n.º 2 do art.º 112.º da Lei n.º 107/2001, publicada no DR, I Série-A, N.º 209, de 8-09-2001
Decreto n.º 1/86, DR, I Série, n.º 2, de 3-01-1986 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
Localizada num dos extremos da aldeia de Atilhó, a Capela de Santa Margarida é um templo setecentista de planta retangular, com anexo lateral correspondente à sacristia. Implantada numa cota mais baixa em relação à rua fronteira, e delimitada por muro, o templo está adossado ao cemitério local.
De grande austeridade arquitetónica e decorativa, a capela apresenta fachada principal aberta por portal central, com moldura de linhas retas, idêntica à das janelas retangulares que o flanqueiam. Sobre a porta sobrepõe-se um pequeno óculo, envolvido por roseta. O frontispício é ladeado por cunhais de pilastras com entablamento, encimados por pináculos com esferas, numa solução que se repete no alçado posterior.
O elemento de maior destaque é a sineira que remata a empena na fachada principal, formada por arco de volta perfeita com duplas volutas que se unem, suportando a cruz central, flanqueada por pináculos idênticos aos dos cunhais.
No interior mantém-se a austeridade decorativa, com paredes revestidas por azulejos azuis, brancos e amarelos. Este programa decorativo terá sido executado no século XX, época de que data também o espaço da sacristia. Na capela-mor, um pouco mais larga do que a nave, destaca-se ao centro o retábulo de talha dourada e policromada, de gosto rococó, que integra a imagem da padroeira, Santa Margarida, ladeada pelas esculturas de Santa Bárbara e Santa Luzia. Nas paredes laterais deste espaço foram colocadas diversas mísulas com imaginária de devoção popular.

História
A Capela de Santa Margarida de Atilhó terá sido edificada na segunda metade do século XVIII, apontando-se a data de 1763, inscrita na fachada lateral do lado do Evangelho, como o ano da sua sagração. Estilisticamente, este templo revela fortes afinidades com a Igreja de Santa Eulália de Pensalvos, no concelho de Vila Pouca de Aguiar, que foi alvo de uma intervenção arquitetónica no final do século XVII.
No século XX a capela foi intervencionada, datando desta campanha o revestimento azulejar e a edificação da sacristia.
A Capela de Atilhó foi classificada como de interesse municipal em 1986.
Catarina Oliveira
DGPC, 2017

Bibliografia

Título

Boticas nas Memórias Paroquiais de 1758

Local

Boticas

Data

2001

Autor(es)

CAPELA, José Viriato, BORRALHEIRO, Rogério

Título

Boticas - Património com História

Local

Boticas

Data

2010

Autor(es)

AA VV