Saltar para o conteúdo principal da página

Casa das Morgadas - detalhe

Designação

Designação

Casa das Morgadas

Outras Designações / Pesquisas

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Castelo Branco / Covilhã / Covilhã e Canhoso

Endereço / Local

Rua Alexandre Herculano
Covilhã

Número de Polícia: 48-50

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

A classificação como VC foi convertida para IM nos termos do n.º 2 do art.º 112.º da Lei n.º 107/2001, publicada no DR, I Série-A, N.º 209, de 8-09-2001
Decreto n.º 28/82, DR, I Série, n.º 47, de 26-02-1982 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A Casa das Morgadas foi mandada construir em 1642 por Simão Tavares Cardoso, um habitante da Covilhã ligado à produção de lanifícios, proprietário de uma das muitas oficinas de manufactura de tecidos existentes em meados do século XVII na povoação beirã.
O edifício é um solar de planta rectangular dividido em dois pisos que, de acordo com os modelos da época, se desenvolve em comprimento, caracterizando-se pela simplicidade e monotonia das fachadas, marcadas pela disposição de aberturas a espaços regulares.
No interior da Casa das Morgadas destaca-se a designada Sala dos Continentes, o salão nobre do piso superior, cujo tecto se encontra completamente pintado com a representação de uma alegoria dos quatro continentes, executada cerca de 1690 pela oficina local de Manuel Pereira, mestre de pintura a óleo (SERRÃO, 2001).
Este conjunto pictórico foi restaurado entre 2001 e 2002, resultando de um protocolo assinado entre a Região de Turismo da Serra da Estrela e o Partido Comunista Português, actual proprietário da Casa das Morgadas.
Catarina Oliveira
IPPAR/2003

Imagens