Saltar para o conteúdo principal da página

Cruzeiro situado na rua principal de Sezures - detalhe

Designação

Designação

Cruzeiro situado na rua principal de Sezures

Outras Designações / Pesquisas

Cruzeiro de Sezures (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Cruzeiro

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viseu / Penalva do Castelo / Sezures

Endereço / Local

- -
Sezures

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

A classificação como VC foi convertida para IM nos termos do n.º 2 do art.º 112.º da Lei n.º 107/2001, publicada no DR, I Série-A, N.º 209, de 8-09-2001
Decreto n.º 8/83, DR, I Série, n.º 19, de 24-01-1983 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
Situado na rua principal da povoação de Sezures, este cruzeiro em granito ergue-se sobre um soco de dois degraus quadrangulares truncados, sendo constituído por base, coluna e remate.
A base da coluna corresponde a uma peanha quadrada, alta e com os lados convexos, rematada por moldura saliente boleada. O fuste liso apresenta um formato cilíndrico, com marcada entasis, rematado por ábaco quadrangular saliente. Na zona mais larga do fuste foi insculpida uma moldura retangular, onde se colocou um azulejo moderno, alusivo ao Ano Mariano. O remate do conjunto é formado por uma cruz bifoliada.
História
Embora se desconheça a data exata da edificação deste cruzeiro, é possível que tenha sido erigido no centro de Sezures no século XVI, quando esta povoação do concelho de Penalva do Castelo integrava os domínios da Ordem do Santo Sepulcro de Jerusalém.
Ao longo dos tempos medievais e modernos, os cruzeiros eram implantados nas rotas viárias, nomeadamente no cruzamento de arruamentos (quando se erguiam no interior das povoações) ou em encruzilhadas de estradas. A sua função não era apenas serem marcos de caminho, dando indicação de direções, uma vez que tinham também uma finalidade religiosa. Efetivamente, estes padrões carregavam uma cultura popular de proteção, sendo erguidos para proteger as almas de quem transitava ou marcando a memória de determinado acontecimento.
O cruzeiro de Sezures foi classificado como de interesse municipal em 1983, atendendo à sua importância na vivência espiritual da povoação local.
Catarina Oliveira
DGPC, 2019