Saltar para o conteúdo principal da página

Casa da Ribeira - detalhe

Designação

Designação

Casa da Ribeira

Outras Designações / Pesquisas

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Braga / Amares / Amares e Figueiredo

Endereço / Local

Rua do Vilar
Lugar da Ribeira

Número de Polícia: 4

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 740-BB/2012, DR, 2.ª série, n.º 248 (suplemento), de 24-12-2012 (ver Portaria)
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Anúncio n.º 14987/2011, DR, 2.ª série, n.º 201, de 19-10-2011 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 9-02-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 17-01-2011 da DRC do Norte para a classificação como MIP
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Despacho de confirmação da abertura de 29-10-1996 do vice-presidente do IPPAR
Despacho de abertura de 28-07-1980 da presidente do IPPC
Parecer de 25-07-1980 da Comissão"ad hoc" do IPPC
Processo iniciado em 1976 na DGPC

ZEP

Portaria n.º 740-BB/2012, DR, 2.ª série, n.º 248 (suplemento), de 24-12-2012 (sem restrições) (ver Portaria)
Anúncio n.º 14987/2011, DR, 2.ª série, n.º 201, de 19-10-2011 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 9-02-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 17-01-2011 da DRC do Norte

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Dominando o rio Cávado, a Casa da Ribeira ergue-se ao fundo do vale, formando um imponente conjunto de volumes irregulares, mas cuja entrada armoriada evoca uma simetria aparente.
Não sabemos, ao certo, o ano da sua edificação, mas conhecemos o seu impulsionador, António Xavier Malheiro de Araújo Barriga, nascido em 1739 (NÓBREGA, 1972), o que faz avançar a construção da casa da Ribeira para a segunda metade do século XVIII. As suas características permitem inscrevê-la nos modelos barrocos setecentistas, muito embora determinados elementos denunciem a emergência do neoclassicismo (STOOP, 2000, p. 27).
O imóvel manteve-se, desde então, na posse da mesma família, sendo reconhecida a importância de alguns dos seus membros no contexto político do Norte do país, principalmente no processo de implantação da República, que teve em Carlos Alberto de Magalhães e Menezes de Azambuja um dos seus principais defensores.
O portal principal, de verga recta, flanqueado por pilastras, é rematado por entablamento e encimado pela pedra de armas da família - escudo esquartelado dos Malheiros, Sousas e Arronches, Araújos e Barrigas. Esta, eleva-se acima da linha do muro (animado por merlões muito afastados entre si), interrompendo a cornija e inscrevendo-se no frontão semicircular, coroado por uma pinha assente sobre um elevado pináculo.
Ladeiam esta composição duas fachadas simétricas. A do lado esquerdo corresponde à capela, aberta à via pública, e a do lado oposto, é um frontispício cego, com as marcações dos vãos, numa tentativa de conferir simetria ao conjunto. Todavia, do lado de dentro, a sensação de simetria desaparece, e este outro corpo transforma-se numa "parede simulada", num pátio com uma fonte e um caminho que conduz ao rio (STOOP, 2000, p. 28).
Dedicada a Nossa Senhora da Piedade, a capela apresenta pilastras nos cunhais, que terminam em pináculos, e suportam o frontão triangular que remata o alçado. Ao centro, o portal principal de verga recta, é coroado por aletas que se ligam ao janelão superior. Por sua vez, este é ladeado por outros dois, de moldura idêntica. No interior, ganha especial importância o retábulo-mor, de talha, que exibe uma escultura em madeira representado a Crucificação de Jesus (IDEM). A capela-mor liga-se à ala principal da casa, que se desenvolve para a esquerda, deslocada em relação ao portal.
Este edifício, de dois andares, apresenta fachadas abertas por janelas de sacada no piso nobre. No interior, destacam-se os tectos pintados, em forma de masseira, com decorações pouco comuns, como cenas de caça de cariz exótico, que recordam miniaturas persas (IDEM).
(Rosário Carvalho)

Imagens

Bibliografia

Título

O Minho Pitoresco

Local

Lisboa

Data

1887

Autor(es)

VIEIRA, José Augusto

Título

Barroco e neoclássico influenciaram a construção da Casa da Ribeira, Diário do Minho

Local

-

Data

2004

Autor(es)

ASSIS, Francisco de, FERREIRA, José Carlos

Título

Palácios e casas senhoriais do Minho

Local

Porto

Data

2000

Autor(es)

STOOP, Anne de

Título

Monografia do Concelho de Amares e Terras do Bouro

Local

Amares

Data

1959

Autor(es)

SILVA, Domingos M. da

Título

Pedras de armas e armas tumulares do distrito de Braga

Local

Braga

Data

1972

Autor(es)

NÓBREGA, Artur Vaz Osório da