Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja do Convento de São Filipe Nery - detalhe

Designação

Designação

Igreja do Convento de São Filipe Nery

Outras Designações / Pesquisas

Convento e Igreja de São Filipe Nery (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Bragança / Freixo de Espada à Cinta / Freixo de Espada à Cinta e Mazouco

Endereço / Local

- Lugar do Convento, com acesso pela EN 221
Freixo de Espada à Cinta

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 443/2006, DR, II Série, n.º 49, de 9-03-2006 (ver Portaria)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A fundação de uma casa oratoriana em Freixo de Espada à Cinta encontra justificação numa série de acontecimentos anteriores, que conduziram o Padre Francisco da Silva a instituir um convento da Congregação do Oratório de São Filipe Néry, e a solicitar à câmara de Freixo a cedência da igreja de Nossa Senhora do Vilar, existente nesta localidade. Na verdade, foi devido às dificuldades de afirmação sentidas no Hospício de Agoa d'Alto, também ele fundado pelo mesmo padre, que se procurou criar um convento ao abrigo de uma ordem, recaindo a primeira escolha sobre os Clérigos Regulares Menores de S. Francisco (SANTOS, 1982), mas acabando por prevalecer a Congregação do Oratório, numa iniciativa apoiada pelo próprio Padre Bartolomeu de Quental, em 1671 (CARDOSO, 1989, p. 61).
A vocação urbana desta congregação não foi motivo de impedimento para a fundação da casa de Freixo de Espada à Cinta; pelo contrário, esta deveria funcionar como motor de introdução e desenvolvimento, na província, das novidades ao nível do ensino e da cultura que caracterizaram estes padres. Por outro lado, e sem poder continuar em Agoa d'Alto, foi necessário encontrar uma sede. A escolha incidiu sobre a igreja de Nossa Senhora do Vilar, cuja imediata cedência por parte do município, em 1673, se justifica pela decadência sentida nessa época na localidade, que via nos oratorianos uma perspectiva de desenvolvimento. A própria igreja, outrora muito procurada, e dispondo de hospedaria para os peregrinos, encontrava-se, na segunda metade do século XVIII, quase votada ao esquecimento.
Pouco se sabe sobre esta capela, conhecendo-se, no entanto, o registo gráfico efectuado por Duarte d'Armas no início do século XVI, identificado como Santa Maria do Vilar, e que revela um templo relativamente próximo do núcleo populacional, com nave e capela-mor, mais baixa e estreita, e torre sineira afastada da fachada principal, à qual se ligava por um muro (ARMAS, fls. 77 e 78).
Os oratorianos mantiveram a invocação, e transferiram-se para esta igreja em 1673, uma vez que dispunham da casa do capelão e da hospedaria. A campanha de obras que alterou o conjunto ocorreu nos anos subsequentes, e não estava ainda terminada quando, em 1834, foram extintas as ordens religiosas. A igreja e o convento caracterizam-se pelas suas linhas depuradas, e espaço interno unificado, próprio das denominadas igrejas-salão, com capelas de dimensão reduzida, braços do transepto pouco profundos e capela-mor coroada por lanterna. Apesar da data avançada da sua edificação, inscreve-se, ainda, nos modelos da arquitectura chã, ou numa corrente mais sóbria e clássica das experiências barrocas, que encontramos, ainda que com outro arrojo e dimensão, nas igrejas oratorianas de Estremoz e Braga (GOMES, 1988).
Vendido a particulares depois da Extinção, foi doado pela família sua proprietária, em 1993, à fábrica da igreja de Freixo de Espada à Cinta, datando do final de 2002 o projecto de transformação do antigo convento em Museu dos Missionários, em homenagem à Congregação do Oratório, numa iniciativa do anterior Bispo, D. António Rafael, e da Câmara Municipal (Ana FRAGOSO, Jornal O Público, 16/12/2002).
(Rosário Carvalho)

Bibliografia

Título

Corografia Portuguesa e descripçam topographica do famoso Reyno de Portugal

Local

Lisboa

Data

1712

Autor(es)

COSTA, Pe. António Carvalho da

Título

O Livro das Fortalezas de Duarte Darmas (edição anotada)

Local

Lisboa

Data

1943

Autor(es)

ALMEIDA, João de

Título

O Oratório no norte de Portugal contribuição para o estudo da história religiosa e social

Local

Porto

Data

1982

Autor(es)

SANTOS, Eugénio dos

Título

A cultura arquitectónica e artística em Portugal no séc. XVIII

Local

Lisboa

Data

1988

Autor(es)

GOMES, Paulo Varela

Título

O Oratório de S. Filipe Néri em Trás-os-Montes: a Congregação de Nossa Senhora do Vlar de Freixo de Estada-À-Cinta, Brigantia, vol. IX, n.º 3/4, pp. 55-69

Local

Bragança

Data

1989

Autor(es)

CARDOSO, António Monteio