Saltar para o conteúdo principal da página

Capela de Santa Cruz, respectivo adro e o recinto onde se realiza a romaria, incluindo a fonte e as árvores nele existentes - detalhe

Designação

Designação

Capela de Santa Cruz, respectivo adro e o recinto onde se realiza a romaria, incluindo a fonte e as árvores nele existentes

Outras Designações / Pesquisas

Capela do Bom Jesus / Capela de Santa Cruz / Capela do Bom Jesus(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Capela

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Santo Tirso / Santo Tirso, Couto (Santa Cristina e São Miguel) e Burgães

Endereço / Local

- Lugar de Santa Cruz
-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 504/2011, DR, 2.ª série, n.º 76, de 18-04-2011 (ver Portaria)
Despacho de homologação de 3-09-2009 do Ministro da Cultura
Parecer favorável de 12-07-2006 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de 3-08-2005 da DR do Porto para a classificação como IIP
Despacho de homologação de 26-12-1979 do Secretário de Estado da Cultura
Parecer de 26-12-1979 da COISPCN a propor a classigicação como VC
Proposta de 9-11-1976 do Delegado da JNE de Santo Tirso

ZEP

Portaria n.º 504/2011, DR, 2.ª série, n.º 76, de 18-04-2011 (sem restrições) (ver Portaria)
Despacho de homologação de 3-09-2009 do Ministro da Cultura
Parecer favorável de 12-07-2006 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de 5-08-2003 da DR do Porto

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Implantada nos arredores da freguesia de Burgães, a Capela de Santa Cruz terá sido edificada na última década do século XVII. Era propriedade da Confraria de Santa Cruz, fundada cerca de 1696 e responsável pela sua construção. Até hoje é utilizada para a romaria anual dedicada ao Bom Jesus, padroeiro do templo.
A planta da capela é composta por três volumes distintos, todos de secção rectangular, que correspondem à nave única, à capela-mor, de menores dimensões, e à sacristia, adossada a esta e de cércea ainda mais baixa. A estrutura exterior é rematada sobre a cornija por pináculos boleados.
A fachada principal, delimitada por duas pilastras, apresenta ao centro um portar de moldura recta, simples, encimado por uma janela com grade de ferro. Nas fachadas laterais foram também abertas portas de entrada no templo e janelas, que iluminam a capela-mor.
A nave, de espaço único, não apresenta qualquer elemento decorativo. Uma guarda de madeira separa este espaço da capela-mor. O arco cruzeiro foi pintado com motivos de brutesco , sendo ladeado pelos altares laterais de talha dourada, dedicados a São Francisco, do lado do Evangelho, e Santo António, do lado da Epístola. O espaço da parede em volta do arco e dos altares colaterais foi unificado com talha dourada e policromada.
O espaço da capela-mor é coberto por abóbada de caixotões de madeira pintados e dourados, com temas do hagiológio. O retábulo-mor integra ao centro a imagem de Cristo na Cruz, que em conjunto com uma tábua que figura a Virgem e São João, colocada no espaço do trono, forma um curioso Calvário .
Esta obra foi executada em 1708 pelo pintor Pedro Machado, de Guimarães, contratado para "dourar o retábulo do altar-mor da capela do Senhor de Santa Cruz", segundo indica o contrato firmado com a Confraria de Santa Cruz (CORREIA, F. Carvalho, 2000, p. 257).
Catarina Oliveira
GIF/IPPAR/ 22 de Junho de 2005

Imagens

Bibliografia

Título

Santo Tirso - da cidade e do seu termo

Local

Santo Tirso

Data

2000

Autor(es)

CORREIA, F. Carvalho