Saltar para o conteúdo principal da página

Casa e Quinta de Minotes - detalhe

Designação

Designação

Casa e Quinta de Minotes

Outras Designações / Pesquisas

Casa da Quinta de Minotes (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Conjunto

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Braga / Guimarães / Fermentões

Endereço / Local

Rua de Souto e Minotes
Lugar de Minotes

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 5/2002, DR, I Série-B. n.º 42, de 19-02-2002 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Os solares portugueses construídos ao longo dos séculos XVI e XVII derivam de três grandes influências: a arquitectura popular tradicional portuguesa, a arquitectura militar medieval e a arquitectura erudita do renascimento. A arquitectura tradicional permitiu a adaptação da simplicidade de divisão do espaço. Por seu turno, a arquitectura militar medieval levou para as casas senhoriais a torre, como elemento simultaneamente de defesa e de habitação, que com os avanços da pirobalística no século XVI perdeu as suas funções iniciais e tornou-se e símbolo de prestígio, linhagem nobre e poder da família proprietária. Por fim, os elementos da arquitectura erudita do Renascimento chegam aos solares através da acção dos vários engenheiros militares que, a partir do século XVII, aplicaram na arquitectura civil a teoria arquitectónica mais erudita, divulgada especialmente através dos escritos de Sebastiano Serlio e Andrea Palladio. Foi sobretudo este último teórico que, no primeiro dos seus I quattro libri dell'Architettura, descreveu a forma como deveria estar organizado o espaço interior das casas senhoriais.
A Casa de Minotes é um dos edifícios construídos segundo este modelo de casa senhorial setecentista, havendo referências documentais sobre ela desde o século XVI. Propriedade de uma família rural abastada, os Martins de Minotes, a casa conheceu o seu apogeu no século XVIII quando a família se dedicava ao comércio brasileiro. O seu carácter de casa rural advém-lhe da articulação espacial que resulta da interligação do espaço interior da casa com os pátios.
A Casa de Minotes é constituída por quatro núcleos habitacionais, à esquerda do portal de entrada situam-se as dependências agrícolas, nomeadamente a adega e a tulha, a oeste foi construído o solar, a norte a zona de quartos e a este a cozinha. O solar possui planta composta irregular, em forma de U, com cobertura homogénea, apresentado um modelo muito simples, sem decorações. A fachada principal possui um único registo, desenvolvendo-se longitudinalmente, com janelas de guilhotina de moldura de avental. As restantes fachadas desenvolvem-se em dois pisos. No interior a articulação dos espaços é feita através de um corredor central que percorre longitudinalmente o corpo principal e, no topo norte, por uma sala que garante o acesso à compartimentação envolvente. As salas possuem tectos de madeira em tabuado, exceptuando a sala de entrada principal, com cobertura de masseira. A fachada este é percorrida, no primeiro registo, por uma varanda com alpendre sobre coluna toscana que abre para o pátio de serviço, em formato de U, fechado por um anexo fronteiro.
Catarina Oliveira
IPPAR/2003

Imagens

Bibliografia

Título

Velhas casas de Guimarães

Local

Porto

Data

2001

Autor(es)

MORAIS, Maria Adelaide

Título

Cozinhas. Espaço e Arquitectura

Local

Lisboa

Data

2006

Autor(es)

PEREIRA, Ana Marques