Saltar para o conteúdo principal da página

Sítio Arqueológico do Cabeço da Mina - detalhe

Designação

Designação

Sítio Arqueológico do Cabeço da Mina

Outras Designações / Pesquisas

Sítio Arqueológico do Cabeço da Mina (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Santuário

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Bragança / Vila Flor / Assares e Lodões

Endereço / Local

-- -
Cabeço da Mina

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como SIP - Sítio de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 110/2014, DR, 2.ª série, n.º 30, de 12-02-2014 (sem restrições) (ver Portaria)
Despacho de homologação de 3-02-2005 da Ministra da Cultura
Parecer de 9-06-2004 do Conselho Consultivo do IPPAR a propor a classificação como IIP
Proposta de 23-09-2002 da DR do Porto do IPPAR para a classificação como MN
Despacho de abertura de 3-03-1997 do vice-presidente do IPPAR
Proposta de abertura de 28-02-1987 da DR do Porto do IPPAR

ZEP

Devolvido à DRC do Norte, por despacho de 26-05-2014, para reanálise
Parecer favorável de 3-11-2010 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 10-09-2010 da DRC do Norte

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Classificado desde 2014, o sítio do "Cabeço da Mina" está situado numa pequena elevação do Vale da Vilariça, na margem direita sobranceira à ribª do mesmo nome.
Foi, sobretudo, graças às investigações conduzidas no local entre os meados dos anos oitenta e o início da década de noventa pelos conhecidos arqueólogos Francisco Sande Lemos e Orlando Sousa, que este arqueossítio passou a centralizar o interesse da comunidade científica nacional, designadamente através da sua apresentação em encontros internacionais (SOUSA, O., REBANDA, N., 1993).
O estudo dos artefactos identificados durante as campanhas arqueológicas parece apontar para a existência de um santuário pré-histórico, datável do Calcolítico (c. do 3.º milénio a. C.), como parece indicar a interpretação tipológica e estilística dos seus elementos constituintes. Uma possibilidade que será reforçada pela inexistência de espólio associado, cuja existência poderia indiciar a sua provável ocupação habitacional. Na verdade, a análise das representações escultóricas recolhidas até à data permitirá afirmar estarmos em presença de um dos exemplares desta tipologia arqueológica mais antigos e mais representativos de todos quantos foram registados até ao momento em todo o território da Península ibérica, senão mesmo de toda a região ocidental da Europa mediterrânea.
Foram recolhidas, no sítio, cerca de trinta "estelas-menires", a maior parte das quais sem quaisquer indícios decorativos, apresentando-se, tão somente, como estelas lisas executadas em granito e xisto. Quanto às decoradas, elas evidenciam um carácter assumidamente antropomórfico, conferido, tanto pela própria forma talhada, como pelos motivos insculpidos, compostos de "xis" e linhas paralelas.
Para além deste conjunto artefactual, foi apenas possível reconhecer a presença de uma estrutura, com orientação Noroeste-Sudoeste, construída com diversas matérias primas locais, desde o granito, passando pelo xisto até fragmentos de quartzo (SOUSA, Orlando,1997).
Se corroborará; à partida, a sua classificação (vide supra), o facto de as figurações não incluírem qualquer tipo de arma, parece afastar a interpretação normalmente traçada para as denominadas "estátuas-menires" do Bronze Final, mormente do Norte de Portugal, onde materializariam um eventual predomínio de "[...] personagens de estatuto social superior, glorificadas na sua função social de comando, ou entidades míticas ou divinas nas quais se projectou o carisma inerente a tal função. [...] correlacionáveis com o culto de chefes guerreiros no seio de comunidades profundamente hierarquizadas." (JORGE, S. O., 1990, p. 249).
[AMartins]

Imagens

Bibliografia

Título

Complexificação das sociedades e sua inserção numa vasta rede de intercâmbios, Nova História de Portugal

Local

Lisboa

Data

1990

Autor(es)

JORGE, Vítor de Oliveira

Título

Estelas menires do Cabeço da Mina, Vila Flor, Trás-os-Montes, Portugal, 3th Deia Conference of Prehistory. Ritual rites and religion in Prehistory

Local

1993

Data

1993

Autor(es)

REBANDA, Nelson, SOUSA, Orlando Castro Ferreira de

Título

Statues-Menhirs et stèles du Nord du Portugal, Revista da Faculdade de Letras

Local

Porto

Data

1990

Autor(es)

JORGE, Vítor de Oliveira, JORGE, Susana de Oliveira

Título

Estação arqueológica do Cabeço da Mina, Vila Flor - notícia preliminar, Estudos Transmontanos e Durienses

Local

Vila Real

Data

1997

Autor(es)

SOUSA, Orlando Castro Ferreira de

Título

Roteiro de Vila Flor

Local

Vila Flor

Data

1988

Autor(es)

MORAIS, Cristiano