Saltar para o conteúdo principal da página

Casa da Cocheca - detalhe

Designação

Designação

Casa da Cocheca

Outras Designações / Pesquisas

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Baião / Baião (Santa Leocádia) e Mesquinhata

Endereço / Local

-- a 14 km de Baião
-

Proteção

Situação Actual

Procedimento encerrado / arquivado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Não aplicável

Cronologia

Despacho de arquivamento de 11-02-2011 do diretor do IGESPAR, I.P.
Parecer favorável de 9-02-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 13-05-2010 da DRC do Norte para o arquivamento do procedimento e envio do processo à CM para a ponderação da classificação como de IM
Pedido de 20-03-1979 do proprietário para a reapreciação do processo, dadas as obras que foi sofrendo
Despacho de homologação de 19-11-1975
Parecer de 7-11-1975 da JNE a propor a classificação como IIP
Proposta de classificação de 9-01-1975 da DGAC

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Não se sabe ao certo a que época remontam as origens da Casa da Cocheca, mas a mais antiga referência sobre esta propriedade é a notícia do seu aforamento por parte de António Fernandes de Araújo ao Convento de Salzedas, em 1567 (AZEREDO, 1938, p. 24; SILVA, 1958, p. 265). Desde então, foi objecto de várias intervenções que alteraram a sua configuração original: o edifício que hoje conhecemos é, muito possivelmente, uma reedificação setecentista, que as obras de meados do século XX procuraram conservar, ainda que modificando e acrescentando alguns elementos. É o caso do corpo mais à direita, antecedido pela varanda alpendrada, que substituiu uma antiga cozinha (SILVA, 1958, p. 265).
A fachada principal, de um só piso (ao contrário das restantes, com dois), é seccionada por pilastras que separam a casa de habitação do alçado da capela, no seu prolongamento. De grande depuração, e quase sem vãos, o frontispício da casa é aberto somente por óculos quadrilobados que enquadram o portal central, de moldura recortada. Sobre este, o brasão de armas, cuja heráldica é ilegível, interrompe a cornija que forma um monumental e ondulado frontão elevando-se bem acima da linha do telhado. A fachada da capela, cuja invocação é de Nossa Senhora da Piedade, é mais sóbria, apresentando portal de verga recta com moldura trabalhada e óculo quadrilobado ao nível do coro. Termina em empena com cruz ao centro e pináculos no prolongamento das pilastras.
O corpo alpendrado é antecedido por escadaria de lanço único com volutas nas guardas, que dá acesso à varanda com cobertura suportada por colunas.
A propriedade conservou-se na posse da primitiva família até ao século XIX, época em que as dificuldades financeiras ditaram a sua venda. Actualmente é uma unidade de alojamento que se inscreve no denominado Turismo no Espaço Rural.
(Rosário Carvalho)

Imagens

Bibliografia

Título

Casas Nobres de Portugal

Local

Lisboa

Data

1987

Autor(es)

BINNEY, Marcus

Título

Casas de Baião

Local

Porto

Data

1938

Autor(es)

AZEREDO, Álvaro de