Saltar para o conteúdo principal da página

Teatro Rosa Damasceno - detalhe

Designação

Designação

Teatro Rosa Damasceno

Outras Designações / Pesquisas

Teatro Rosa Damasceno(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Teatro

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Santarém / Santarém / União de Freguesias da cidade de Santarém

Endereço / Local

Rua Conselheiro Figueiredo Leal
Santarém

Número de Polícia: 3-5

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 5/2002, DR, I Série-B. n.º 42, de 19-02-2002 (ver Decreto)
Edital N.º 149/97 de 15-07-1997 da CM de Santarém
Despacho de classificação de 3-04-1997 do Ministro da Cultura
Novo parecer de 11-03-1997 da 1.ª Secção do Conselho Consultivo do IPPAR a propor a classificação como IIP
Despacho de concordância de 4-02-1994 do presidente do IPPAR
Parecer de 6-01-1994 da 1.ª Secção do Conselho Consultivo do IPPAR a propor a classificação como MN
Proposta de classificação de 20-02-1992 da CM de Santarém

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A construção original deste teatro -actualmente desaparecida- realizou-se entre 1870 e 1876 segundo traço do arquitecto José Luís Monteiro. Neste edifício, é de destacar a procura de formulários estétícos embuídos de um ecletismo análogo ao Teatro Ginásio de Lisboa, alusão que é sublinhada pela denominação escolhida - Rosa Damasceno- uma grande actriz que fazia furor nos palcos lisboetas da época. Com o evoluir da técnica cinematográfica e o consequente advento do som, em 1938 o teatro sofre uma profunda remodelação que é levada a cargo pelo arquitecto Amilcar Pinto, tendo este sido o responsável pela actual feição Art Deco, presente na geometrização linear da decoração da fachada do edifício. Esta opção estilística , está bem impressa no diálogo arquitectónico entre a verticalidade estrutural das linhas e os módulos de vidro que definem a geometrização global do espaço, concretizada nos cinco janelões que rasgam a fachada. O resultado global traduz-se numa arrojada espacialidade que não encontramos no análogo Eden Teatro (CUSTÓDIO, 1996, p. 218). Todavia, com o projecto de Amilcar Pinto, uma inspiração modernista colhida nos parâmetros estéticos e funcionais emanados por Charles Rennie Mackintosh e defendidos por Walter Gropius, está patente no programa decorativo que aglutina e uniformiza o interior do edíficio com o mobiliário. Aliás, em toda a concepção do projecto transparece uma modernidade tecnológica que se impõe pela tónica colocada na relação espéctaculo-espectador, notória na procura de uma iluminação detalhada, proporcionada pelo uso de vidro opalino que melhor direcciona a luz proveniente das lâmpadas de néon. "Este modelo funcionalista de salas despojadas e desornamentadas, onde a decoração era progressivamente substituída pela criteriosa iluminação e acústica e pelo arrojo das soluções de engenharia, estendeu-se até à província , como sucedeu no teatro Rosa Damasceno em Santarém, riscado pelo arquitecto Amílcar Pinto e inaugurado em 1938 (...)" (SANTOS, 1997, p. 472) . Esta procura de uma linearidade de formas que também se querem monumentais, transparece na marcação ritmíca, sugerindo um pulsar ondulante, patente na decoração do interior dos camarotes e alguns frisos, tendência que é corrobada pela modelação linear dos estuques. SCP

Imagens

Bibliografia

Título

Santarém, Cidade do Mundo

Local

CMS

Data

1996

Autor(es)

CUSTÓDIO, Jorge