Saltar para o conteúdo principal da página

Palácio Vale Flor (conjunto), incluindo o palácio, Casa da França, lavandaria, cocheiras e garagem, bem como todo o jardim murado e as construções decorativas que o integram - detalhe

Designação

Designação

Palácio Vale Flor (conjunto), incluindo o palácio, Casa da França, lavandaria, cocheiras e garagem, bem como todo o jardim murado e as construções decorativas que o integram

Outras Designações / Pesquisas

Pestana Palace Hotel / Palácio Vale-Flor / Pestana Carlton Palace Hotel (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt) / Jardim do Palácio Vale Flor (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Palácio

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Lisboa / Alcântara

Endereço / Local

Rua Soares de Passos
Lisboa

Rua João de Barros
Lisboa

Rua Jau
Lisboa

Número de Polícia: 45-49 e 50-62

Calçada de Santo Amaro
Lisboa

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto n.º 67/97, DR, I Série-B, n.º 301, de 31-12-1997 (ver Decreto)
Edital N.º 69/96 de 25-06-1996 da CM de Lisboa
Despacho de homologação de 29-04-1996 do Ministro da Cultura
Novo parecer de 21-04-1994 do Conselho Consultivo do IPPAR a propor a classificação como MN
Deliberação de 8-11-1990 do Conselho Consultivo do IPPC a propor a classificação do Palácio Vale Flor (conjunto), incluindo o palácio, Casa da França, lavandaria, cocheiras e garagem, bem como todo o jardim murado e as construções decorativas que o integram como MN
Despacho de concordância de 30-07-1990 do presidente do IPPC
Parecer de 5-07-1990 do Conselho Consultivo do IPPC a propor a classificação do Palácio Vale Flor (conjunto), incluindo o palácio, Casa da França, lavandaria, cocheiras e garagem, bem como todo o jardim murado e as construções decorativas que o integram, devendo o processo ser melhor instruído, com vista a eventual atribuição do grau de MN
Proposta de 29-07-1988 da DGEMN para a classificação do Palácio Vale Flor como IIP

ZEP

Portaria n.º 160/2016, DR, 2.ª série, n.º 102, de 27-05-2016 (ZEP do Palacete da Rua Jau, incluindo os anexos e todo o jardim murado que o envolve, e do Palácio Vale Flor (conjunto), incluindo o palácio, Casa da França, lavandaria, cocheiras e garagem, bem como todo o jardim murado e as construções decorativas que o integram (com restrições) (ver Portaria)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 14-03-2016 da diretora-geral da DGPC
Anúncio n.º 228/2015, DR, 2.ª série, n.º 192, de 1-10-2015 (ver Anúncio)
Despacho de concordância de 23-07-2015 do diretor-geral da DGPC
Parecer favorável de 8-07-2015 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Informação favorável de 28-11-2014 do Departamento de Bens Culturais da DGPC
Proposta de alteração de 3-09-2014 da CM de Lisboa
Proposta de 3-06-2014 do Departamento de Bens Culturais da DGPC para a ZEP do Palacete na Rua Jau e do Palácio Vale Flor

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Erguido no alto de Santo Amaro no início do século XX, o Palácio Vale Flor é um dos mais bonitos edifícios palacianos da Lisboa romântica. Foi mandado edificar por José Constantino Dias, emigrante português que enriqueceu como fazendeiro em São Tomé e Príncipe e que, regressado a Portugal, recebeu do rei D. Carlos o título de Marquês de Valle Flôr.
O terreno escolhido pelo novo marquês para edificar o seu sumptuoso palacete havia sido comprado em 1890, numa época em que o bairro residencial de Santo Amaro crescia à sombra da actividade fabril de Alcântara, a compasso da malha urbana da cidade, que conheceu uma franca expansão em núcleos exteriores ao centro histórico situado na Baixa.
O projecto foi entregue ao arquitecto Nicola Bigaglia, e em 1904 iniciou-se a construção do edifício. No entanto, o arquitecto italiano faleceu em 1908, sendo então contratado para dirigir os trabalhos o português José Ferreira da Costa, que lhe fez alterações substanciais, às quais se juntaram detalhes decorativos executados por Ventura Terra. Neste ano edificava-se já o espaço das cocheiras, independente e fronteiro ao palácio, iniciando-se também a estrutura de dois grandes pavilhões, em ferro e vidro, nos jardins da propriedade. Entre 1910 e 1915 executava-se a campanha de decoração do espaço interior do palácio, a cargo de Constantino Fernandes, Carlos Reis e Eugénio Cotrim.
Em 1992, o palácio foi adquirido pelo Grupo Pestana, no intuito de transformar o espaço numa unidade hoteleira. O projecto do hotel, da autoria do arquitecto Manuel Taínha, manteve as características originais do espaço, restaurando estruturas e programas decorativos originais, e acrescentando à antiga residência Vale Flor duas novas alas para albergar os quartos.
O conjunto do palácio dispõem-se em planta centralizada, composta pela articulação do edifício principal com o espaço da entrada, a capela e dois espaços poligonais envidraçados. É precedido por grandes portões de ferro, que a par com o muro em balaustrada, demarcam os limites da propriedade. O corpo central divide-se em quatro andares, tendo no último as típicas mansardas de inspiração parisiense.
Na fachada principal destaca-se o sumptuoso espaço de entrada em mármore com portas de ferro e vidro, ao qual se acede por uma larga via em calçada portuguesa. Anexo a este eleva-se o átrio, também em mármore e de planta circular coberto por cúpula em vitral, a partir do qual se ergue a escadaria de dois lanços, que forma tribuna ao nível do andar nobre.
A fachada posterior, que abre para os jardins com uma escadaria, é ritmada pela disposição simétrica de portas em arco rebaixado e frontão e janelas de sacada com moldura circular, destacando-se duas chaminés no telhado preto. Nos jardins do palácio, além da piscina e das peças escultóricas, sobressai a Casa do Lago, um pavilhão de gosto oriental.
No interior do palácio destacam-se as suites no andar nobre, com decoração de influência francesa, revestidas a mármore, com tecto pintados a fresco, baixos relevos em estuque, decoração oriental e decoração neo-rococó em talha dourada e espelhos, dedicadas à temática da música.
Frente ao palácio foi erigido o edifício das cocheiras, no mesmo estilo romântico do principal, que se dispõe em forma de ferradura, divido em dois pisos. Precedido por portão de ferro, destaca-se o corpo central com uma curiosa torre triangular de telhas pretas com relógio, tão ao gosto da arquitectura civil francesa de finais do século XIX. A porta de entrada é encimada por frontão circular, ostentando o brasão do Marquês de Valle Flôr.
Catarina Oliveira
DIDA/ IGESPAR, I.P./ Agosto de 2011

Imagens

Bibliografia

Título

Monumentos e Edifícios Notáveis do Distrito de Lisboa

Local

Lisboa

Data

1988

Autor(es)

ATAÍDE, M. Maia

Título

Palácio Vale Flor - processo de classificação

Local

-

Data

1988

Autor(es)

ALÇADA, Margarida, COLEN, José Augusto Barbosa

Título

Peregrinações em Lisboa

Local

Lisboa

Data

1939

Autor(es)

ARAÚJO, Norberto de

Título

Cozinhas. Espaço e Arquitectura

Local

Lisboa

Data

2006

Autor(es)

PEREIRA, Ana Marques