Saltar para o conteúdo principal da página

Santuário do Senhor da Serra e adro envolvente - detalhe

Designação

Designação

Santuário do Senhor da Serra e adro envolvente

Outras Designações / Pesquisas

Mosteiro do Senhor da Serra / Capela do Senhor da Serra / Santuário do Senhor da Serra (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Mosteiro

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Coimbra / Miranda do Corvo / Semide e Rio Vide

Endereço / Local

Rua D. Manuel Bastos Pina
Senhor da Serra

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 270/2013, DR, 2.ª série, n.º 91, de 13-05-2013 (ver Portaria)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 28-01-2013 da diretora-geral da DGPC
Procedimento prorrogado até 30-06-2013 pelo Decreto-Lei n.º 265/2012, DR, 1.ª série, n.º 251, de 28-12-2012 (ver Diploma)
Anúncio n.º 13674/2012, DR, 2.ª série, n.º 218, de 12-11-2012 (ver Anúncio)
Novo parecer de 22-10-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Despacho de concordância de 20-12-2011 do diretor do IGESPAR, I.P.
Parecer de 19-12-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura a propor a classificação como MIP
Procedimento prorrogado pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Proposta de 27-05-2011 da DRC do Centro para a classificação como CIP
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Edital de 19-12-2005 do IPPAR
Despacho de abertura de 7-07-2004 do presidente do IPPAR
Proposta de 19-01-2004 da DR de Coimbra para a incusão do adro no âmbito da classificação
Despacho de abertura de 11-08-1999 do vice-presidente do IPPAR
Proposta de 6-08-1999 da DR de Coimbra para a abertura da instrução do processo de classificação
Processo iniciado em 1976

ZEP

Portaria n.º 270/2013, DR, 2.ª série, n.º 91, de 13-05-2013 (sem restrições) (ver Portaria)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 28-01-2013 da diretora-geral da DGPC
Anúncio n.º 13674/2012, DR, 2.ª série, n.º 218, de 12-11-2012 (ver Anúncio)
Novo parecer de 22-10-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Despacho de concordância de 20-12-2011 do diretor do IGESPAR, I.P.
Parecer favorável de 19-12-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 27-05-2011 da DRC do Centro

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Não se sabe ao certo em que data foi edificada a primitiva capela do Senhor da Serra, mas em 1678 já aí vivia um ermitão, razão pela qual se atribui a sua construção ao terceiro quartel do século XVII. De acordo com a inscrição presente no crucifixo que se venera no altar-mor, com o ano de 1704, crê-se que o templo tenha sido objecto de uma ampliação em data próxima, já existindo o alpendre em 1724, e remontando o altar-mor e os colaterais a 1734.
O templo que hoje conhecemos pouco ou nada guarda deste seu primeiro traçado, pois foi demolido e reedificado a partir de 1899. Na verdade, a obra começou nas hospedarias, lançando-se a campanha da igreja em 1901. Quatro anos mais tarde, os trabalhos estavam praticamente concluídos. O projecto ficou a dever-se a António Augusto Gonçalves, professor e fundador da Escola Livre das Artes do Desenho, em actividade desde 1878.
Trata-se de uma igreja revivalista, inspirada em modelos medievais, que conjuga uma espacialidade e prospecto exterior mais próximo do gótico, com pormenores ao nível da abertura dos vãos, ou da cabeceira poligonal com modilhões que recordam as igrejas românicas.
O templo desenvolve-se em planta de cruz latina, de nave única, com cabeceira poligonal, de cunhais marcados por colunas adossadas. A fachada principal é antecedida por gablete aberto por arco em ogiva e colunata com capitéis vegetalistas. No seu prolongamento, ergue-se a torre, de planta quadrada, com arcos geminados no primeiro registo e outros de volta perfeita nos registos seguintes, de inspiração românica. Os panos laterais deste alçado terminam com contrafortes e são abertos por fresta e óculo, mais acima. Nas fachadas laterais, ganha especial interesse o conjunto de modilhões que suporta a cornija, sendo os panos murários abertos por vãos de arco em ogiva e por pequenas frestas.
A estes revivalismos, reúnem-se, ainda, azulejos com representações da vida de Cristo e vitrais executados na Escola Livre das Artes do Desenho, de Coimbra, que mais tarde passou a ser designada por Escola Avelar Brotero. Quanto aos retábulos, o principal é inspirado no da Sé Velha da mesma cidade, e foi também desenhado por António Augusto Gonçalves. Já os laterais vieram da antiga igreja da Misericórdia de Coimbra, tendo sido adquiridos a esta instituição em 1907.
Executada já no século XIX, a igreja do Senhor da Serra destaca-se pela variedade de linguagens arquitectónicas que conjuga num mesmo edifício, valorizando simultaneamente a produção local e o ensino ministrado pela Escola Livre das Artes do Desenho.
(Rosário Carvalho)

Imagens

Bibliografia

Título

Inventario Artistico de Portugal - Cidade de Coimbra.

Local

Lisboa

Data

1947

Autor(es)

GONCALVES, António Nogueira, CORREIA, Vergílio

Título

O Divino Senhor da Serra de Semide

Local

Coimbra

Data

1920

Autor(es)

NEVES, Campos