Saltar para o conteúdo principal da página

Castro de São Caetano, abrangendo os perímetros das três muralhas - detalhe

Designação

Designação

Castro de São Caetano, abrangendo os perímetros das três muralhas

Outras Designações / Pesquisas

Castro de São Caetano (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Povoado Fortificado

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viana do Castelo / Monção / Longos Vales

Endereço / Local

- -
Lugar do Outeiro

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto n.º 735/74, DG, I Série, n.º 297, de 21-12-1974 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Tal como sucede nos demais povoados fortificados construídos durante a Idade do Ferro no Noroeste peninsular, o "Castro de São Caetano" ergue-se de forma destacada no cume de uma colina sobranceira ao rib.º de Silvas, no "Lugar de Outeiro".
As escassas referências bibliográficas relativas à existência de vestígios de um povoado no local apontam para a sua identificação entre os finais do século XIX, princípios do XX, numa altura em que a temática castreja ainda era amplamente discutida no seio da intelectualidade nacional, certamente no seguimento das investigações realizadas neste campo pelo conhecido estudioso vimarenense Francisco Martins de G. M. Sarmento (1833-1899), que tanto se embrenhou nas questões da celticidade e pré-celticidade dos povoados de altura desta zona peninsular. Mas não só, pois a sua localização resultava de igual modo de uma ampla campanha de salvaguarda do património, promovida pelo Conselho Superior dos Monumentos Nacionaes, então adstrito ao Ministerio das Obras Publicas, Commercio e Industria, no âmbito da qual a inventariação das (então) denominadas riquezas artísticas e arqueológicas ocupava um lugar central.
Não obstante, o sítio não constou da primeira grande listagem de classificação de "monumentos nacionais", publicada em 1910, certamente pelo facto de não ter objectivado de imediato a condução de escavações arqueológicas, que permitissem revelar a sua verdadeira "monumentalidade", não apenas estrutural, como, sobretudo, do ponto de vista da análise científica. E, de facto, parece ter sido necessário esperar pela década de cinquenta, para que emergisse do esquecimento, dessa feita por mão de Abel Viana (?-1964), um nome incontornável do panorama arqueológico português de novecentos. Entretanto, o final dos anos oitenta pautaram-se por um série de campanhas arqueológicas no local, que, no conjunto, permitiram exumar e recolher um número considerável de informações imprescindível à compreensão da estrutura inicial do povoado.
Estamos, pois, em presença de um povoado, com origens possivelmente radicadas no Bronze Final, como sucede noutros exemplares desta região, dotado, já em plena Idade do Ferro, de um sistema defensivo composto de duas linhas de muralha construídas com dois paramentos paralelos preenchidos com material pétreo de pequenas dimensões. Quanto às habituais estruturas de funcionalidade doméstica, de planta predominantemente circular, com ou sem vestíbulo lajeado, elas foram encontradas, como é característico deste tipo de povoado, no recinto delimitado pelo troço de muralha interno.
Dos materiais recolhidos durante as escavações destacam-se as cerâmicas atribuídas à Idade do Ferro, bem como romanas (designadamente terra sigillata), a assegurar, no fundo, o cumprimento de um fenómeno recorrente neste tipo de povoado, sobretudo quando auferia de um bom posicionamento estratégico, ou seja, a sua reutilização durante o período de ocupação romana, entre os séculos I e IV d. C., altura em que terá sido destruído. Mas não só, pois a edificação, na parte superior do povoado, de uma capela consagrada a S. Caetano, traduzirá uma prática secular de reutilização simbólica dos mesmos espaços e/ou suas imediações por diferentes comunidades ao longo dos tempos, numa espécie de (re)apropriação e/ou (sobre)posição sucessiva de valores, não tanto materiais, mas espirituais, ainda que decorrente de intuitos político-administrativos bastante bem vincados, mesmo quando incompletamente apreendidos pela totalidade da população.
[AMartins]

Bibliografia

Título

Trabalhos arqueológicos no castro de São Caetano (Longos Vales - Monção) 1988 - 1989, Revista de Ciências Históricas

Local

Porto

Data

1991

Autor(es)

MARQUES, José Augusto Teixeira Maia

Título

Nota sobre o castro de S. Caetano (Longosvales - Monção), Actas e Memórias do 1º Congresso Nacional de Arqueologia

Local

Lisboa

Data

1959

Autor(es)

VIANA, Abel, NEVES, Leandro Quintas

Título

Notícias várias,O Arqueólogo Português

Local

Lisboa

Data

1902

Autor(es)

VASCONCELLOS, José de Leite de