Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja Matriz de Nossa Senhora da Assunção de Arronches - detalhe

Designação

Designação

Igreja Matriz de Nossa Senhora da Assunção de Arronches

Outras Designações / Pesquisas

Igreja Paroquial de Arronches / Igreja de Nossa Senhora da Assunção (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Portalegre / Arronches / Assunção

Endereço / Local

Praça da República
Arronches

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto n.º 8 217, DG, I Série, n.º 130, de 29-06-1922 (ver Decreto)

ZEP

Portaria de 9-07-1960, publicada no DG, II Série, n.º 168, de 20-07-1960 (sem restrições)

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A primitiva igreja de Nossa Senhora da Assunção de Arronches foi edificada em 1236, um ano depois de a povoação ter sido reconquistada por D. Sancho II e doada por este monarca ao mosteiro de Santa Cruz de Coimbra. A iniciativa de construção da nova matriz ficava a cargo de D. Teotónio, prior do cenóbio conimbricence, e o templo seria concluído em 1242.
Em 1512, D. Manuel outorgava a Arronches um novo foral, e alguns anos depois a matriz seria reedificada, por iniciativa régia, havendo dúvidas quanto à autoria da sua traça. Seguindo o modelo de igrejas-salão que começava a ser explorado na igreja do Convento de Jesus de Setúbal, a matriz de Arronches apresenta uma nova tipologia de espaço que "tende a alargar, a superar a tecnologia goticista" (SERRÃO,Vítor, 2002, p.51), e que conhecerá o seu expoente em Santa Maria de Belém. Nos anos de 1541-1542 foi executado o portal principal, e no século XVII edificou-se o cadeiral de madeira da capela-mor, sendo também da mesma campanha de obras a aplicação dos azulejos padrão que decoram a capela do Santíssimo e a capela de São João Baptista. Em meados do século XVIII o remate da fachada seria alterado e dentro do templo eram colocados os altares de talha dourada. Ao longo do século XX a igreja seria objecto de diversas obras de recuperação e reconstrução.
De planta longitudinal composta, a igreja matriz de Arronches possui fachada principal antecedida de escadaria, com portal renascentista ladeado por contrafortes. Executado entre 1541 e 1542 pelo mestre escultor francês Francisco de Loreto (FLOR, Pedro, 2004), o portal de volta perfeita possui um programa decorativo de grande sobriedade, onde se destacam os dois tondi e os querubins que preenchem a arquivolta. O conjunto assenta sobre pilastras coríntias assentes em plintos decorados por duas caveiras, sendo rematado por frontão triangular com escudo e cruz de Cristo. No friso do portal, uma curiosa legenda - PARAISO PARA SEMPRE. INFERNO PARA SEMPRE - cuja data de gravação se desconhece. Este portal apresenta evidentes semelhanças estruturais e decorativas com o portal da Igreja da Madalena, em Olivença (Idem, ibidem).
Do lado direito do portal foi edificada a torre sineira, coberta por coruchéu piramidal, com seis aberturas no registo superior. As fachadas laterais possuem contrafortes rematados por gárgulas, e portais manuelinos, com arco de volta perfeita decorado por motivos vegetalistas integrado em alfiz com decoração idêntica.
Interiormente a igreja está dividida em três naves, sem separação entre a central e as laterais, cobertas pela mesma abóbada de ogivas, formando um espaço único. Os fechos da abóbada têm gravados a cruz de Cristo, o escudo de Portugal, a esfera armilar e florões. Ao fundo da igreja foi edificado o coro-alto, com abóbada de nervuras rebaixada, sob o qual foi colocado o baptistério, com pia baptismal barroca e armário de mármore maneirista.
Na nave lateral do lado do Evangelho situam-se a Capela de São Miguel, ou de São João Baptista, com abertura em arco de volta perfeita e decorada com azulejos padrão, e o altar, de talha, do Senhor dos Passos. Na nave lateral fronteira foram edificadas as capelas do Santíssimo e de Nossa Senhora do Rosário, com túmulo renascentista de mármore, onde foi sepultado António de Vasconcelos. O altar-mor do templo possui dois altares colaterais, que abrem em arco de volta perfeita; o do lado do Evangelho, forrado com azulejos padrão, possui ao centro do retábulo de talha pintura da Última Ceia, o do lado da Epístola, semelhante, possui calvário e sacrário. O retábulo-mor, em talha dourada, alberga ao centro imagem de Nossa Senhora da Assunção.
Catarina Oliveira

Imagens

Bibliografia

Título

História da Arte em Portugal - o Renascimento e o Maneirismo

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

SERRÃO, Vítor

Título

Inventário Artístico de Portugal - vol. I (Distrito de Portalegre)

Local

Lisboa

Data

1943

Autor(es)

KEIL, Luís

Título

A Arquitectura Gótica em Portugal

Local

Lisboa

Data

1981

Autor(es)

CHICÓ, Mário Tavares

Título

Do «modo» gótico ao Manuelino, História da Arte Portuguesa, vol.2

Local

Lisboa

Data

1995

Autor(es)

PEREIRA, Paulo

Título

O portal da igreja matriz de Arronches e a escultura do Renascimento no Alentejo, Actas do Simósio Internacional de História da Arte

Local

Lisboa

Data

2004

Autor(es)

FLOR, Pedro

Título

A arquitectura manuelina

Local

Vila Nova de Gaia

Data

2009

Autor(es)

DIAS, Pedro

Título

A Arquitectura ao Romano

Local

Vila Nova de Gaia

Data

2009

Autor(es)

CRAVEIRO, Maria de Lurdes