Saltar para o conteúdo principal da página

Túmulo de Fernão Rodrigues Redondo na capela de São Pedro, actualmente anexa à Igreja Paroquial de São Nicolau - detalhe

Designação

Designação

Túmulo de Fernão Rodrigues Redondo na capela de São Pedro, actualmente anexa à Igreja Paroquial de São Nicolau

Outras Designações / Pesquisas

Igreja Paroquial de São Nicolau / Igreja de São Nicolau (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Não Definida / Túmulo

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Santarém / Santarém / União de Freguesias da cidade de Santarém

Endereço / Local

Rua Dr. Mendes Pedroso
Santarém

Rua Capelo e Ivens
Santarém

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)

ZEP

Portaria de 29-10-1946, publicada no DG, II Série, n.º 5, de 7-01-1947 (ZEP do Túmulo de João Afonso e do Túmulo de Fernão Rodrigues Redondo)

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Fernão Ruiz Redondo, oriundo do Norte do País, desempenhou importantes cargos na corte de D. Dinis (foi meirinho-mor) e possuía Paço em Santarém, cidade onde faleceu c.1324. Foi sepultado na antiga Capela de São Pedro, contígua à igreja de São Nicolau, capela essa mandada construir pelo casal Redondo, cerca de 1330 - já no reinado de D. Afonso IV -, por disposição testamentária de Marinha Afonso, sua mulher. Hoje, esta capela, que mais não é que um espaço anexo da Igreja de São Nicolau, e já não possui quaisquer das características góticas iniciais, devido a uma reconstrução no século XVII (CUSTÓDIO, 1996, p.49).
O túmulo do Cavaleiro é constituído por arca rectangular, tampa com estátua jacente e seis leões de suporte. Na tampa representa-se o cavaleiro Fernão Ruiz Redondo jacente, envergando trajes de corte (longa túnica e manto, sapatos com esporas), segurando, com as duas mãos, a espada distendida sobre o corpo. O rosto é sereno e emoldurado por longos cabelos escorridos que lhe caiem sobre os ombros e pela barba pontiaguda. Aos pés, dispõem-se dois cães, já sem cabeça, guardiães do sepulcro e da alma do cavaleiro. Na tampa relevam-se duas incrições epigráficas, sendo uma contemporânea da execução do túmulo e que identifica o cavaleiro. Na arca, representam-se os escudos dos Redondos, três em cada facial maior e um em cada facial pequeno, característica que a aproxima da tumulária trecentista lisboeta (núcleo de tumulária da Sé de Lisboa). A arca repousa sobre seis leões, lavrados em blocos rectangulares de pedra, idênticos à esculturação dos cães da tampa.
CVF

Imagens