Saltar para o conteúdo principal da página

Capela do Espírito Santo ou do Bom Jesus do Hospital - detalhe

Designação

Designação

Capela do Espírito Santo ou do Bom Jesus do Hospital

Outras Designações / Pesquisas

Capela do Bom Jesus do Hospital / Capela do Espírito Santo na Quinta do Prado (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Capela

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Vila Real / Vila Real / Vila Real

Endereço / Local

Praça Pe. Jerónimo Amaral
Vila Real

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

A classificação como VC foi convertida para IM nos termos do n.º 2 do art.º 112.º da Lei n.º 107/2001, publicada no DR, I Série-A, N.º 209, de 8-09-2001
Decreto n.º 1/86, DR, I Série, n.º 2, de 3-01-1986 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
Implantada no perímetro do Campus Universitário de Trás-os-Montes e Alto Douro, em Vila Real, a Capela do Espírito Santo é um edifício de planta retangular que denota a execução de várias campanhas de obras em épocas distintas.
Fundado em finais da Idade Média, o templo exibe uma estrutura eclética, onde se destaca a fachada barroca, com um modelo onde contrasta o branco e o granito dos elementos escultóricos e estruturais. O alçado é definido lateralmente por duas pilastras, interrompidas na cornija e encimadas por pináculos. Ao centro rasga-se o portal, de moldura retangular e pilastras com capitéis vegetalistas, definido lateralmente por exuberantes aletas com folhagens. Estes elementos ornamentais recordam a arquitetura de André Soares, tal como a ligação entre os ornatos da secção central da fachada, um recuso aplicado pelo arquitecto bracarense em obras emblemáticas como a igreja da Falperra.
Um friso demarca a separação da secção superior do frontispício, onde se ergue o frontão contracurvado em granito, com brasão de armas ao centro, cruz no remate e pináculos laterais.
As fachadas laterais, que se dividem em duas secções, mantêm o desenho medieval primitivo. Na primeira secção, entre a fachada e metade do corpo, rasgam-se dois arcos geminados, com capitéis de motivos vegetalistas e figurativos, muito provavelmente do século XIV. Na segunda secção, correspondente à parte posterior da nave e à capela-mor, o pano murário maciço apresenta-se sem qualquer abertura ou decoração, exibindo cornija simples, encimada por merlões. Os merlões do tramo tardoz das fachadas laterais denotam semelhanças com o mesmo tipo de remate que se encontra nos Paços Municipais de Guimarães ou de Viana do Castelo, sendo possivelmente fruto da campanha de obras do século XVI.
O interior da capela é um espaço despojado de decoração, onde se destaca a capela-mor, com uma imagem de Cristo Crucificado na parede testeira.
História
A Capela do Espírito Santo, também denominada Capela do Bom Jesus do Hospital, foi instituída no século XIV pelos morgados de São Brás, ficando anexa a um "(...) hospício para viajantes pobres, que tivessem mais de três dias de jornada (...)" (SOUSA, GONÇALVES: 1987, p. 142). Devido aos seus instituidores, passou a ser designada como capela do Hospital de São Brás. A partir do século XVII, devido a vários milagres que a população local atribuiu à interseção da imagem de Cristo Crucificado existente no interior da capela, o templo adota a designação de Capela do Bom Jesus (Idem).
Originalmente, o templo estava localizado no Campo do Tabolado, que corresponde ao espaço do atual Largo dos Condes de Amarante. Com a modernização de Vila Real, e a consequente abertura de novas vias de comunicação na cidade, foi projetada a continuação da estrada entre a Régua e Chaves, que passaria precisamente nos terrenos onde estavam edificados o templo e a sua albergaria.
Assim, em Agosto de 1865 a Câmara Municipal decidiu expropriar estes terrenos, determinando que a capela deveria ser reedificada no Largo do Pioledo, mantendo-se o direito de posse na família proprietária. As expensas da obra ficaram a cargo da Direcção das Obras Públicas.
A documentação atesta que a capela estava já instalada no Piodelo em 1887, servindo então de paiol de pólvora ao Regimento de Infantaria 13. Mais tarde, as questões que haviam obrigado à primeira transferência voltaram a colocar-se, e mais uma vez a igreja foi desmontada para que se abrisse uma nova estrada, assim se mantendo até aos finais de Oitocentos.
Nos primeiros anos do século XX a capela estaria já reconstruída na Quinta dos Prados, propriedade onde se viria a instalar a universidade depois da década de 70.
Visando a sua preservação, mediante o risco de ser novamente desmontada e trasladada para uma propriedade privada em Guimarães, a Capela do Espírito Santo foi classificada em 1986.
Catarina Oliveira
DGPC, 2019

Imagens

Bibliografia

Título

Memórias de Vila Real

Local

Vila Real

Data

1987

Autor(es)

GONÇALVES, Silva, SOUSA, Fernando de