Saltar para o conteúdo principal da página

Casa de Vila Boa - detalhe

Designação

Designação

Casa de Vila Boa

Outras Designações / Pesquisas

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Braga / Vila Nova de Famalicão / Joane

Endereço / Local

- -
Vila Boa

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

A classificação como VC foi convertida para IM nos termos do n.º 2 do art.º 112.º da Lei n.º 107/2001, publicada no DR, I Série-A, N.º 209, de 8-09-2001
Decreto n.º 129/77, DR, I Série, n.º 226, de 29-09-1977 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

São poucas as referências conhecidas sobre a Casa de Vila Boa, mas admite-se que tenha tido a sua origem numa torre de época medieval, ou seja, a tipologia mais comum para as residências nobres da época. Mais tarde, este género de construções cedeu a primazia a outras edificações que as incorporaram ou destruíram. No século XVIII observa-se uma recuperação das torres medievais, muitas vezes construindo-se de novo quando delas já nada restava. No caso de Vila Boa não é possível perceber em que data ocorreu esta transformação, apenas se conhecendo que em 1682 foi adquirida pela família que ainda hoje a conserva na sua posse.
Muitos dos elementos que caracterizam esta casa podem ser atribuídos ao século XVIII, sendo possível que, neste período, tenha ocorrido a ampliação da fachada principal. A estrutura é, no entanto, anterior.
Desenvolve-se em dois pisos, sendo que a fachada principal é marcada pela abertura de janelas de verga curva no andar nobre, uma delas de sacada, e pela escadaria de um só lanço, paralela ao alçado, e cujo patamar é protegido por alpendre. Na continuidade da fachada, agora mais recuada, inscreve-se a capela, apenas identificada pelo portal, com ampla cornija sobre a qual assentam os pináculos laterais e a cruz, de escala desproporcionada. No cunhal, uma janela/nicho geminada e, na outra fachada, mais janelas no andar nobre, a que correspondem, inferiormente, pequenas frestas.
(RC)

Imagens