Saltar para o conteúdo principal da página

Ermida de Nossa Senhora das Angústias, mais conhecida por Ermida do Calvário, incluindo as peças que constituem o seu recheio - detalhe

Designação

Designação

Ermida de Nossa Senhora das Angústias, mais conhecida por Ermida do Calvário, incluindo as peças que constituem o seu recheio

Outras Designações / Pesquisas

Ermida do Senhor do Calvário / Ermida de Nossa Senhora das Angústias / Ermida do Senhor do Calvário(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Ermida

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Faro / Tavira / Tavira (Santa Maria e Santiago)

Endereço / Local

Sítio de São Pedro
Tavira

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

A classificação como VC foi convertida para IM nos termos do n.º 2 do art.º 112.º da Lei n.º 107/2001, publicada no DR, I Série-A, N.º 209, de 8-09-2001
Decreto n.º 129/77, DR, I Série, n.º 226, de 29-09-1977 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
A Ermida de Nossa Senhora das Angústias, mais conhecida como Ermida do Calvário pela cena representada no retábulo, situa-se a Sudoeste da cidade de Tavira, junto a um cemitério público estabelecido em 1838 numa antiga horta de freiras. A parede da cabeceira deste templo encontra-se adossada à Ermida de São Pedro, ligação essa que pode induzir em erro levando a considerar tratar-se de um único edifício.
Exteriormente a Ermida é um edifício de linha sóbrias, de um só corpo com duas janelas altas iluminando o espaço destinado ao altar, e duas janelas mais baixas dando luz para a nave, estas últimas defendidas por um gradeamento de ferro forjado de bom desenho. A fachada foi reconstruída nos finais do século XVIII ou nos princípios do século XIX, apresentando um frontão bipartido, cunhais em massa e um portal de cantaria sobre o qual se observa um óculo oval. À entrada da igreja, do lado esquerdo do portal, observa-se um curioso poço ou cisterna de reduzidas dimensões.
Interiormente, o templo apresenta uma só nave de planta retangular e uma capela-mor quadrangular. Por um degrau único, sob o arco triunfal de volta inteira, passa-se do corpo da Ermida para o espaço destinado ao altar onde, a meio, se encontra a pedra sepulcral de Lourenço Beleza Teixeira, falecido em 1624. Na abóbada vislumbram-se ainda restos de pintura mural onde estão presentes os marmoreados em tom rosa, bem como a representação de uma balaustrada, entre outras imagens. No retábulo, formado por tábuas colocadas na vertical, destacam-se os marmoreados verdes e azuis sobre os quais foram pintadas em trompe l'oeil sanefas vermelhas apanhadas por cordões com borlas, enquadrando uma vista de Jerusalém. O resultado é ainda mais enganador por existir um elemento real, um baldaquino de madeira pintada. A mesma decoração em trompe l'oeil cobre a parte superior das paredes laterais da capela-mor, simulando um revestimento de damasco carmesim a que não faltam os galões e a franja. No terço inferior das paredes estão pintados os símbolos da Paixão inscritos em medalhões ovais. Na parede do lado direito observa-se, ainda, a representação pictórica de uma falsa porta.
No retábulo destacam-se, também, as imagens de roca do Calvário, São João, Stª Maria Madalena e Cristo Cruxificado que datam da segunda metade do séc. XVII. Na obra "Santuário Mariano" de Frei Agostinho de Santa Maria, editada em 1718, as imagens são referidas pela sua antiguidade e beleza, mas também por serem consideradas milagrosas (volume VI, pág.425). Uma outra imagem presente no retábulo é uma pequena representação do Menino Jesus de pé, com vestido bordado devidamente resguardada por redoma de vidro. O púlpito de madeira poligonal que encosta à parede é já obra do século XIX, apresentando uma pintura igualmente em trompe l'oeil de tons de azul com rosetas. Esta peça assenta sobre uma coluna facetada e tem acesso por uma escadinha móvel.


História
Este pequeno templo, outrora designado por Santuário de Nossa Senhora das Angústias, foi bastante venerado durante o século XVIII, nele terminando a procissão do Senhor dos Passos. Igualmente no dia da Senhora das Angústias, a 15 de setembro, realizava-se uma importante festa religiosa acompanhada de arraiais que duravam três dias e três noites. Participavam nesta romaria gente de todo o Algarve e mesmo da Andaluzia.

Maria Ramalho/DGPC/2016 com o apoio de Célia Teixeira e Daniel Santana/C. M. Tavira.

Imagens

Bibliografia

Título

Roteiro das igrejas de Tavira

Local

-

Data

1996

Autor(es)

LAMEIRA, Francisco

Título

Santuário Mariano

Local

Lisboa

Data

1933

Autor(es)

SANTA MARIA, Frei Agostinho de

Título

Tavira, Cidade das Igrejas

Local

Tavira

Data

2010

Autor(es)

SANTANA, Daniel