Saltar para o conteúdo principal da página

Ponte da Coroa - detalhe

Designação

Designação

Ponte da Coroa

Outras Designações / Pesquisas

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Ponte

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Santarém / Coruche / Coruche, Fajarda e Erra

Endereço / Local

Estrada de Ameias
Coruche

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

A classificação como VC foi convertida para IM nos termos do n.º 2 do art.º 112.º da Lei n.º 107/2001, publicada no DR, I Série-A, N.º 209, de 8-09-2001
Decreto n.º 8/83, DR, I Série, n.º 19, de 24-01-1983 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A Ponte da Coroa situa-se junto a Coruche, próximo da EN 114, e servia a travessia do rio Sorraia, numa das zonas mais perigosas do rio, o Pego das Armas, topónimo que remontará à data da reconquista.
A actual ponte terá sido edificada em 1828, de acordo com lápide comemorativa que aí se encontrava, devendo o seu nome à intervenção real na sua construção, ou eventual reconstrução de estrutura anterior.
A documentação histórica lança dúvidas sobre a data de construção desta, pois há informação de no início do século XV o rei D. João I fazer a quitação das rendas do concelho para se poder efectuar a reparação das pontes locais, que poderão ter sido passagens em madeira. Já nos finais dessa centúria existe o registo de uma ponte de cantaria que estaria nos limites da Courela dos Marinhais. Já as memórias paroquiais de 1758 informam da existência de uma ponte de pedra arruinada, de que não existem actualmente vestígios, nem se precisa a sua localização.
Certo é que o regime de cheias e as alterações do leito do rio provocaram ao longo dos séculos reestruturações várias que inevitavelmente alteraram a natureza e a localização das travessias e pontes que serviam Coruche.
Caracteriza-se esta ponte em pedra e tijolo, por possuir três arcos, encontrando-se o central sobrelevado, sendo acompanhado pelo tabuleiro, possuindo talhamares de ambos os lados, agudos a jusante e arredondados a montante. Sobre o arco central , do lado jusante, encontra-se um padrão construído em tijolo rebocado, onde se encontravam inseridas uma coroa, respectivo escudo real e a inscrição comemorativa, elementos que foram arrancados e recolocadas na nova ponte rodoviária.
A sua construção denota um cuidado construtivo que respeita cânones clássicos. (JAM)

Bibliografia

Título

Pontes Antigas Classificadas

Local

Lisboa

Data

1998

Autor(es)

RIBEIRO, Aníbal Soares