Saltar para o conteúdo principal da página

Cruzeiro do Senhor do Padrão - detalhe

Designação

Designação

Cruzeiro do Senhor do Padrão

Outras Designações / Pesquisas

Cruzeiro do Senhor do Padrão, ao Carvalhido(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Cruzeiro

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Porto / Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, São Nicolau e Vitória

Endereço / Local

Praça do Exército Libertador, na confluência da Rua Oliveira Monteiro com a Rua 9 de Julho
Porto

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

A classificação como VC foi convertida para IM nos termos do n.º 2 do art.º 112.º da Lei n.º 107/2001, publicada no DR, I Série-A, N.º 209, de 8-09-2001
Decreto n.º 45/93, DR, I Série-B, n.º 280, de 30-11-1993 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
Implantado no centro do porto, frente à Praça do Exército Libertador, no espaço de confluência das ruas 9 de Julho e Oliveira Monteiro, o Cruzeiro do Senhor do Padrão data da primeira metade do século XVIII, marcando o caminho primitivo que saía da cidade em direção a norte.
A estrutura é composta por três peças, dispostas na vertical: a base retangular de quatro faces, numa das quais se inscreve a legenda "Louvado seja os tempos de valores virtude lisura ozias. MDCCXXXVIII", inserida num medalhão delimitado por enrolamentos, sobre a qual assenta a coluna cilíndrica com capitel vegetalista, decorado com folhas de acanto, e, por fim, o coroamento, com uma representação de Cristo na Cruz.
HistóriaO Cruzeiro do Senhor do Padrão foi erigido em 1738, assinalando a antiga estrutura viária desta zona da cidade do Porto, por onde passava o caminho que se dirigia ao norte da Península, nomeadamente a Santiago de Compostela. O cruzeiro testemunha, também, um tipo característico de religiosidade de caminhos, uma vez que, na sua aparente ingenuidade, simboliza um dos valores religiosos mais importantes da vivência religiosa exterior da época barroca.
Quando o espaço abrangente se urbanizou, com a construção de habitações e a abertura dos eixos viários que confluem para a Praça do Exército Libertador, o cruzeiro foi rodeado e protegido por uma estrutura quadrangular, com faces azulejadas e portão de acesso ao recinto.
No ano de 1993 o Cruzeiro do Senhor do Padrão foi classificado como de interesse municipal, e em 2000 a autarquia portuense restaurou a estrutura e devolveu-lhe a feição primitiva, colocando na base da mesma uma placa comemorativa que assinala a intervenção.
Catarina Oliveira
DGPC, 2018

Imagens

Bibliografia

Título

O Grande Porto

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

PACHECO, Helder