Saltar para o conteúdo principal da página

Quiosque na Praça de Mouzinho de Albuquerque - detalhe

Designação

Designação

Quiosque na Praça de Mouzinho de Albuquerque

Outras Designações / Pesquisas

Quiosque na Praça Mouzinho de Albuquerque (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Quiosque

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Porto / Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, São Nicolau e Vitória

Endereço / Local

Praça Mouzinho de Albuquerque
Porto

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

A classificação como VC foi convertida para IM nos termos do n.º 2 do art.º 112.º da Lei n.º 107/2001, publicada no DR, I Série-A, N.º 209, de 8-09-2001
Decreto n.º 2/96, DR, I Série-B, n.º 56, de 6-03-1996 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
O chamado Quiosque da Praça Mouzinho de Albuquerque está atualmente implantado na Praça da Liberdade, no centro do Porto.
Este quiosque é composto por uma estrutura em madeira, vidro e chapa metálica, desenvolvendo-se numa planimetria planta octogonal. O conjunto exibe um modelo de inspiração oriental, muito em voga nesta tipologia de micro-arquitecturas/i> de lazer.
Cada uma das faces apresenta-se dividida em três corpos: o inferior corresponde a uma base de ferro, com molduras em relevo; o intermédio com janelas de guilhotina, em madeira e vidro, o superior equivalendo a um friso de azulejos com motivos florais e infantis.
Sobre este friso assenta o remate do conjunto, uma cúpula bulbosa cuja parte inferior é constituída por uma espécie de beiral com tubos de drenagem das águas pluviais.
História
Os quiosques do Porto marcaram a paisagem urbana da cidade entre os anos finais do século XIX e as primeiras décadas do século XX, chegando a contar-se cerca de setenta exemplares deta tipologia. Estas estruturas erigidas em ferro, madeira ou betão, e decorados com aplicações de vidro, que vendiam fruta, bebidas, jornais, tabaco, eram, mais do que estabelecimentos comerciais, locais de lazer que serviam para reuniões sociais e culturais.
Implantado originalmente na Praça Mouzinho de Albuquerque (conhecida como Rotunda da Boavista), este quiosque foi mandado construir em 1925 por António Baltazar, segundo um plano aprovado pela Câmara do Porto no ano anterior.
Em 2005 o quiosque foi desmontado, para ser reparado. Depois da obra de restauro foi remontado na esquina sul da Praça da Liberdade, da mesma cidade, no passeio onde já estava edificado o Quiosque do Serviço de Transportes Coletivo do Porto.
Este quiosque, que apresenta a particularidade de integrar apontamentos de azulejo, foi classificado como de interesse municipal em 1996.
Catarina Oliveira
DGPC, 2018

Bibliografia

Título

Quiosques resistem à extinção

Local

-

Data

1998

Autor(es)

LUZ, Carla Sofia

Título

Uma história de quiosques

Local

Lisboa

Data

2004

Autor(es)

BONY, Claudie