Saltar para o conteúdo principal da página

Casa na Rua Nova, 20-22 (propriedade do Dr. José António Raposo Semedo) - detalhe

Designação

Designação

Casa na Rua Nova, 20-22 (propriedade do Dr. José António Raposo Semedo)

Outras Designações / Pesquisas

Casa na Rua Nova, 20-22 (actual 24 ???) / Casa na Rua Nova, n.º 24 / Casa do Morgado(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Edifício

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Portalegre / Castelo de Vide / Santa Maria da Devesa

Endereço / Local

Rua Nova
Castelo de Vide

Número de Polícia: 24

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

A classificação como VC foi convertida para IM nos termos do n.º 2 do art.º 112.º da Lei n.º 107/2001, publicada no DR, I Série-A, N.º 209, de 8-09-2001
Decreto n.º 129/77, DR, I Série, n.º 226, de 29-09-1977 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

No século XIV a vila de Castelo de Vide desenvolveu-se em torno de dois eixos primordiais - a Fonte da Vila e a Devesa (igreja de Santa Maria da Devesa). A primeira, que abastecia os moradores do castelo pelo menos desde o século XIV, situa-se sensivelmente ao centro do Largo Dr. José Frederico Laranjo, e liga-se à entrada das muralhas através da Rua da Fonte, que progressivamente foi ficando ladeada de casas, integrando a Judiaria nos séculos XIV e XV. A Fonte constitui o ponto gerador do sistema urbano radial (em blocos triangulares e em concha) que se observa nas cinco ruas em seu redor. Uma dessas artérias, a Rua Nova, desemboca na Devesa, onde se começou a construir, em 1349 e a partir de uma ermida pre-existente, a igreja matriz dedicada a Santa Maria da Devesa (BICHO, 1999; JORGE, 1991).
Nesta rua íngreme que liga a Fonte da Vila à igreja matriz, ergue-se uma construção de tipologia barroca, provavelmente do século XVII, que acompanha o acentuado declive do terreno, e cuja história permanece desconhecida.
Na fachada de três andares destaca-se o portal, em cantaria, de verga recta mas rematado por frontão de volutas, com palmas e uma concha ao centro. No interior, a planta irregular articula, ao nível do piso térreo, a cavalariça e a adega da cave, erguendo-se na zona da entrada uma escadaria, com voluta e arco em granito, que permite o acesso aos pisos superiores onde se distribuem inúmeros compartimentos, entre os quais destacamos a capela particular, com abóbada pintada e altar.
(Rosário Carvalho)

Imagens